Palácios de Catarina e Peterhof

Nos arredores de São Petersburgo (25 km) em uma cidade que à época se chamava Tsarskoye Selo, hoje Pushkin,  foi construído em 1717 o Palácio de Verão de Catarina I, da Rússia.

IMG_2138.JPG

Catarina I foi a mulher do Czar Pedro, o Grande e o palácio foi um presente para ela.

Em 1756, o palácio foi todo remodelado pela filha deles a Imperatriz Elizabeth, que foi, por assim dizer, “sogra” de Catarina II, “A Grande”, já que Elizabeth era tia de Pedro, marido de Catarina II e os trouxe para viver com ela, pois como não tinha filhos, escolheu o sobrinho Pedro para ser o herdeiro do trono.

IMG_2149.JPG

Fui visitar o palácio na parte da manhã, de carro, com a super querida guia Nádia (@passeio.petersburgo) que contratei por 3 dias para passeios em São Petersburgo.

IMG_2171.JPG
Eu e Nádia em uma das salas do Palácio

Elizabeth adorava o luxo e revestiu as paredes e tetos do palácio com mais de 100 kg de ouro.

IMG_2176.JPG

IMG_2190.JPG
Precisa colocar protetor nos pés para não arranhar o chão

IMG_2201.JPG

IMG_2204.JPG

E a selfie no espelho do nosso “grupo”, saudade desse dia

IMG_2239.JPG

A maior atração do Palácio de Catarina, sem dúvida, é a Sala de Âmbar roubada pelos nazistas na 2ª Guerra Mundial, que foi totalmente reconstruída.

Âmbar é uma resina fóssil proveniente dos pinheiros da região às margens do Mar Báltico. De cor que varia do amarelo ao vermelho é muito usado em objetos ornamentais, decorativos ou jóias. Embora pareça uma pedra semi preciosa, um mineral, a sua origem é vegetal.

E advinhem? Não pode fotografar!!! A beleza da sala que foi integralmente reconstruída como a original, com âmbar verdadeiro (não são cópias) é realmente espetacular. Comprei um catálogo e fiz a foto abaixo. As paredes são inteiras cobertas com peças de âmbar das mais diversas tonalidades que vão do amarelo claro, passando pelo laranja até chegar ao vermelho bem intenso, criando um efeito incrível.

img_2651.jpg

A história da sala começa em 1716 quando o Rei da Prússia Frederico Guilherme I presenteou o Czar Pedro I com painéis de âmbar. Em 1755, sua filha, a Imperatriz Elizabeth resolveu instalar os painéis na sala do palácio acrescentando espelhos e outros ornamentos. Até que na segunda guerra mundial ela foi encoberta com panos, para protegê-la, porém os alemães descobriram, desmontaram os painéis e os roubaram, desaparecendo para sempre.

Na década de 1980 o governo de Moscou resolveu reconstituir a sala e após mais de 20 anos de trabalho, utilizando 500 mil placas num total de 6 toneladas de âmbar, foi inaugurada em 2003. Os alemães doaram 3,5 milhões de dólares para ajudar. Estima-se que a sala valeria 250 milhões de dólares o que a torna a mais valiosa obra de arte desaparecida do mundo. É de arrepiar! (Fonte: Livro “A Sala de Âmbar” de Catherine Scott-Clark e Adrian Levy – Ed. Record)

sala de âmbar.jpg
Foto do site: http://www.jabuticaba.org

O palácio possui alguns móveis, objetos, vestuário e retratos da família imperial, não está com a totalidade de seus aposentos abertos para visitação porque ele ainda não foi completamente restaurado.

IMG_2242
Salão de Jantar
IMG_2221.JPG
Vestido da Imperatriz Elizabeth
IMG_2232
O último Czar: Nicolau II

IMG_2214

Os jardins do palácio são muito lindos e o dia de sol e céu azul limpo de verão em agosto deixou o cenário ainda mais perfeito.

IMG_2260.JPG

IMG_2267

IMG_2281.JPG

IMG_2282.JPG

IMG_2292.JPG

IMG_2303.JPG

Após o Palácio de Catarina fomos almoçar em um restaurante incrível – Podvorye – dica da Guia Nádia, que comentarei no post exclusivo sobre os restaurantes que fui na Rússia.

À tarde, a outra atração que eu tinha mais vontade de conhecer em São Petersburgo, depois do Museu Hermitage: o Palácio Peterhof.

Li que o ideal seria conhecer cada palácio em um dia, por causa da distância e do tamanho. Cada viagem é muito pessoal, mas no meu caso, ter conhecido os dois no mesmo dia funcionou muito bem. Se você vai conhecer essas atrações sozinho é possível que perca muito tempo no deslocamento, na compra de ingressos e na própria visitação em si já que não conhece a “logística”. O trajeto entre eles também pode ser complicado.

Como fui com guia e motorista, saímos de St. Peters às 9h, chegamos em menos de 1 hora em Pushkin e 2 horas foi tempo suficiente para conhecer o Palácio de Catarina. O motorista nos deixou praticamente na porta do palácio, não peguei fila para comprar ingresso (a guia já tinha comprado) ou para entrar (salta fila), o tempo rende. Em Peterhof foi o mesmo esquema (fica a 38 Km de Pushkin), tanto que sobrou tempo para no final de tarde fazer um tour pelas estações de metrô – bônus que não estava no programa. Depois, no verão, anoitece às 22h o que faz o seu dia render muito mais.

O Palácio de Peterhof ou o Palácio de Pedro, que dista 30 km do centro de São Petersburgo foi inaugurado em 1723, seguindo as instruções de construção em vários esboços feitos por Pedro, o Grande que foram guardados, já que ele planejava construí-lo desde 1705.

IMG_2365.JPG
Entrada de Peterhof

O que são essas cúpulas? Quase surtei quando cheguei aqui. E muitas fontes lindas pelo caminho.

IMG_2377.JPG

IMG_2395.JPG
Fonte Tritão

IMG_2411

IMG_2469
Fonte Adão e Eva

Também tem fontes secretas. Pedro, o Grande queria “brincar” com seus convidados e inventou construir jatos de água escondidos pelo jardim, no chão ou em construções, para quando as pessoas passassem por elas seus pés acionassem o mecanismo e ficariam molhadas, de surpresa, no susto! Eu iria odiar essa brincadeira, mas as crianças amam e se divertem muito.

Abaixo um parador para descansar, que na realidade é uma fonte surpresa.

IMG_2414

Passeamos pelos seus jardins

IMG_2391

IMG_2401

E existem outros palácios menores no complexo do Peterhof.

IMG_2423

IMG_2435.JPG
Palácio Monplaisir

 

Então chegamos no Mar Báltico, com vista para o Golfo da Finlândia

IMG_2459.JPG

Depois subimos para conhecer o “coração” de Peterhof: a sua cascata de fontes. Abaixo, ao fundo.

IMG_2477.JPG

Reservei essa viagem e marquei esse dia de passeio com meses de antecedência, e pensei: tem que dar sol, faz toda a diferença! E fez!!! Que sol, que céu, que dia mais lindo, foi demais!!!

IMG_2491.JPG

A Grande Cascata em frente ao palácio possui 200 estátuas e esculturas de bronze dourado (cobertos com folha de ouro), 16 vasos e 29 baixo relevo em mármore. As 64 fontes não usam bombas para funcionar e sim a genialidade de cálculos de queda d’água que fazem com que a pressão dê força para impulsionar os jatos.

IMG_2504.JPG

O Palácio Peterhof foi por 200 anos a residência de verão da família imperial russa. Muito atingido nos bombardeios da 2ª Guerra Mundial foi reconstruído e reaberto em 1964. Sua fachada possui 260 metros e seu parque 102 hectares.

A quantidade de pessoas que visitam o Peterhof na alta temporada é enorme. Não tive interesse de conhecer o palácio por dentro (foi todo reconstruído fielmente). O interior é lindo, vi nas minhas pesquisas, vale a pena, teria tempo, mas realmente fui para curtir a sua área externa que é espetacular. A gente não consegue parar de admirar a cascata, não dá vontade de ir embora. Estava um dia tão lindo, felicidade que não cabia em mim!

IMG_2507.JPG
Fonte de Sansão

As estátuas de bronze roubadas pelos nazistas, também foram fielmente refeitas com camadas de folhas de ouro. Na fonte de Sansão, que está lutando e abrindo a boca de um leão, seu jato chega a altura de 20 metros.

IMG_2525.JPG

IMG_2532.JPG

img_2537.jpg

IMG_2533

No alto do terreno, no platô do palácio com a vista do Mar Báltico

img_2545.jpg

As águas das fontes desaguam no Mar Báltico lá embaixo.

img_2549.jpg

As fontes ficam no verão ligadas até às 17h. No inverno não funciona, voltam no final de abril. A visita ao palácio pode ser feita o ano todo.

Foi um dia muito intenso, só que tão agradável na companhia da guia Nádia, que não foi cansativo, então ela ofereceu, de bônus, um passeio pelas estações de metrô e topamos.

O sistema de metrô de São Petersburgo iniciou suas atividades em 1955. É um dos mais profundos do mundo.

IMG_2568.JPG

IMG_2581.JPG

Assim como em Moscou, que futuramente mostrarei, as estações parecem palácios. Abaixo a estação AVTOVO que possui 46 colunas, sendo 16 revestidas de vidro esculpido.

IMG_2586.JPG

IMG_2594.JPG

IMG_2596.JPG

IMG_2605.JPG

A estação KIROVSKIY ZAVOD homenageia as indústrias de base do período socialista

IMG_2613.JPG

IMG_2611.JPG
Busto de Lenin

Estação NARVSKAYA é dedicada a bravura do povo soviético e possui 48 esculturas que retratam 12 profissões.

img_2625.jpg

IMG_2627

A profundidade das estações é impressionante, não chegava no topo nunca!

IMG_2633.JPG

Detalhes e beleza por todo lado

IMG_2576

img_2598.jpg

Vale a pena acrescentar mais um dia de viagem para conhecer os palácios de Catarina e Peterhof, considero este último, em especial na primavera/verão, um dos roteiros indispensáveis para quem visita São Petersburgo. 

 

 

 

 

 

 

 

4 comentários em “Palácios de Catarina e Peterhof

  1. Turista insaciável,agora blogueira revelação,nos mostra com didática e fotos inacreditáveis tiradas pelo “maridão” com celular,os encantos de suas visitas pela Rússia.Os ângulos e a posição da autora com os palácios e cascatas ao fundo vem do artista e pintor,também marido, Rogério Bertoncini,perfeccionista em planos e luzes.O Resultado só podia ser uma magia de informações turísticas num blog que estou recomendando aos meus amigos ansiosos por “dicas” de viagem.Parabéns Cristina um encanto.!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s