São Petersburgo – Parte I

E chegamos na Rússia em agosto de 2019! Foram 4 dias em São Petersburgo (3 dias em Moscou), muita coisa para contar e mostrar, então vou dividir os posts.

A ansiedade para chegar na Rússia era imensa. Um mix de curiosidade com medo e nervosismo, sei lá, todo lugar que vou pela primeira vez me deixa bastante apreensiva, estudo muito antes e às vezes acho que é pior (hehehe) porque se lê tanta coisa ruim, relatos que acabam assustando a gente. Mas, como o meu mantra é: vou sem medo, mas se eu tiver medo, vou mesmo assim. Me joguei!

img_0764.jpg
Pela janela do carro – St. Petersburgo

Fui para São Petersburgo a partir de Helsinque de trem (Allegro), super tranquilo. A Estação da Finlândia é muito organizada e o serviço de bordo excelente.

IMG_0749
Trem Helsinque – St. Petersburgo

IMG_0755

Porém, a minha maior apreensão era fazer a imigração no trem com os temidos agentes russos. Não tem nada disso! Durante o trajeto dão um formulário para preencher bem simples, com informações básicas (motivo da viagem, duração, etc) depois passa o agente para verificar o passaporte e pronto: mais um carimbo para a conta! Os brasileiros não tem qualquer restrição de entrada na Rússia. A única pergunta que me fizeram e eu estranhei foi se eu tinha vindo da Alemanha. Imagino que deve ser pela questão dos imigrantes.

img_5655

A unica coisa chata é guardar a metade do formulário para devolver na saída. E o medo de perder? Deixei guardado no cofre dos hotéis. Tem pessoas que dizem que tem que andar com o passaporte e o formulário porque se algum policial te aborda na rua precisa mostrar. Não concordo, deixei o passaporte e o formulário sempre guardados no hotel, andava com uma cópia do passaporte por segurança, nunca ninguém me pediu.

O clima estava ótimo, temperatura agradável, dias de sol e céu limpo na maior parte do tempo e o que eu mais gosto no verão da Europa, anoitece super tarde, perto das 22:00 horas, uma delícia, o dia rende muito.

Achei São Petersburgo uma cidade muito segura. Bom, para nós brasileiros praticamente qualquer lugar do mundo é mais seguro. Andamos muito a pé, à noite, e por ser alta temporada, verão (agosto) a cidade estava lotada, mas durante a noite diminui muito o fluxo de pessoas e mesmo assim não vi qualquer problema, não me senti insegura ou com medo em nenhum momento. Só precisa cuidar da bolsa em lugares aglomerados por causa dos batedores de carteira.

Contratei uma guia por 3 dias para fazer os passeios: Nádia Khristova que indico muito, seu insta é @passeio.petersburgo. Super querida, calma, extremamente culta, fala um português perfeito, serviço muito profissional com o motorista Boris, não esperamos em nenhum lugar, nos deixava na porta ou o mais próximo possível quando carro não podia entrar, serviço de precisão que fez o nosso tempo render e aproveitar muito mais e melhor a cidade.

IMG_2646
Boris e Nádia serviço de excelência

Quanto ao hotel, por ser a comemoração do aniversário de 60 anos do marido, resolvi escolher um para ficar na memória, então o eleito foi o Hotel Four Seasons Lion Palace, como o próprio nome já diz: um palácio. Super bem localizado, ao lado da Catedral de St. Isaac e bem próximo ao museu Hermitage, de bons restaurantes, com um staff muito gentil, além de ser lindo demais.

IMG_2707.JPG

IMG_0787

IMG_1547

IMG_0786

Fiz a reserva pelo http://www.grandluxuryhotels para o superior room (quarto básico) e recebi um upgrade para um quarto com cama king size e terraço

IMG_0777

IMG_0778

IMG_0781

O terraço do quarto tinha vista para a Catedral de St. Isaac

IMG_0779

IMG_1544
Vista do terraço do quarto – colado na Catedral de St. Isaac

As áreas comuns do hotel são extremamente agradáveis principalmente o restaurante que serve o café da manhã e refeições rápidas – The Tea Lounge – anexo ao lobby.

IMG_2082.JPG

IMG_2097.JPG

IMG_2083.JPG

IMG_2084.JPG

IMG_2086.JPG

IMG_2093.JPG

IMG_2091.JPG

IMG_2085.JPG

O Hotel Four Seasons Lion Palace conta com dois restaurantes e dois bares.

IMG_0838.JPG
Sintoho – restaurante asiático
IMG_2669.JPG
Percorso – restaurante italiano
IMG_2657.JPG
Bar do restaurante Percorso
IMG_0825.JPG
Xander Bar

No post sobre restaurantes na Rússia falarei melhor sobre eles.

São Petersburgo foi o sonho e a realização de Pedro I, o Grande. Pertencente a dinastia Romanov, Pedro I nasceu em 1672, se tornou Czar em 1682, mas assumiu realmente o poder em 1694 e faleceu em 1725.  A paixão por navegação fez ele encontrar uma região  às margens do Rio Neva e do mar Báltico (conquistada dos suecos na Guerra do Norte) propícia para a Marinha Russa criada por ele.

Pedro I decidiu transferir a capital da Rússia (Moscou) para essa nova cidade em 1703, que recebeu o nome de São Petersburgo até 1914. Também já se chamou Petrogrado (1914 a 1924) e Leningrado (1924 a 1991), voltando a se chamar São Petersburgo desde 1991.

Não só por sua altura, ele media 2,03 m, mas por todas as suas realizações, o homem que modernizou a Rússia passou para a História como Pedro – O Grande.

IMG_1563.JPG
Cavaleiro de Bronze – Monumento em honra a Pedro o Grande feito por Catarina a Grande

São Petersburgo foi construída nos moldes europeus, assim, a maioria dos seus edifícios tem essa arquitetura ocidental. Brinco que São Petersburgo não é Rússia. Segunda maior cidade do país, possui 5.323 milhões de habitantes.

Após fazer um reconhecimento pelos arredores do hotel, na primeira noite fui assistir um balé no Teatro Mariinsky que para minha felicidade, nos dias que eu estava na cidade, estava apresentando o Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky.

O balé na Rússia em uma parte do verão entra em férias, geralmente no mês de agosto. O Bolshoi, em Moscou,  já estava fechado. Uma semana depois de sair de St. Peters, o Mariinsky também entrou em férias.

IMG_0878.JPG

O ballet de St. Petersburgo foi fundado no século XVIII e era originalmente conhecido por Ballet Imperial Russo, sendo uma das principais companhias do mundo.  Em 1934 passou a se chamar Ballet Kirov, sendo que nos anos de 1950 e 1960 teve como dançarinos mais célebres Rudolf Nureyev e Mikhail Baryshnikov.

Após o fim do regime comunista, a companha de ballet de St. Petersburgo passou a ter o mesmo nome do teatro onde está instalado, Mariinsky, porém, no meio artístico continua a ser conhecido e chamado pelo nome de Kirov.

Comprei o bilhete para o espetáculo meses antes no site do próprio teatro o http://www.mariinsky-theatre.com Após a compra, enviaram um email pedindo algumas informações (em inglês). O ingresso é remetido por email para impressão, não é necessário trocar na bilheteria do teatro.

Fui na apresentação no prédio principal do Mariinsky (Main Stage) que é lindo! Precisa prestar atenção na hora de comprar, porque tem espetáculos em outro prédio, o Mariinsky II que é moderno, não é tão bonito.

IMG_0798.JPG

O prédio atual foi inaugurado em 1860 e foi uma emoção muito grande estar lá. Fiz aula de dança quando era criança e adolescente e sempre tive paixão pelo balé. Foi um sonho realizado poder assistir uma companhia dessa importância no cenário mundial e ainda mais sendo o espetáculo o Lago dos Cisnes. Durante a apresentação, por óbvio, não pode fotografar. Fiz alguns registros do teatro.

IMG_0801.JPG

IMG_0803.JPG

IMG_0802.JPG

O marido não gosta de ballet, então fui sozinha, lá conheci um casal carioca muito simpático que fez algumas fotos minhas. A gente sempre encontra anjos pelo caminho.

IMG_0814.JPG

No outro dia, encontramos a guia Nádia no hotel e fomos fazer o roteiro programado.

Primeira parada: Catedral Naval de São Nicolau, construída entre 1753 a 1762, às margens do canal Kriukov, seu estilo é o barroco russo. A fachada azul e branca com colunas coríntias.

IMG_0886.JPG

A igreja é dedicada a São Nicolau dos Milagres, padroeiro dos marinheiros.

IMG_0890.JPG

IMG_0889

IMG_0896.JPG

IMG_0883
Campanário da Igreja de São Nicolau

IMG_0905.JPG

Na saída fizemos um pedido no encontro das 6 pontes do canal Kriukov, que segundo a nossa guia Nádia dá sorte.

IMG_0910
Canal Kriukov

Abaixo o Rio Neva, com 74 Km de comprimento é o terceiro maior rio da Europa em volume de água. Vai até o Golfo da Finlândia.

IMG_0961

IMG_0963

Em frente a Academia de Belas Artes vemos duas estátuas de esfinges do Faraó Amenofis III, do século III a.c. Originais do Egito, de granito,  pesam 23 toneladas cada uma.

IMG_0937

A Fortaleza de São Pedro e São Paulo é o marco inicial da cidade, de 1703, fica na ilhota de Zayachy e foi construída para impedir uma nova invasão sueca. São Petersburgo começou aqui.

IMG_1067.JPG

IMG_1068.JPG

O meu maior interesse na fortaleza era para conhecer a Catedral de São Pedro e São Paulo onde estão os túmulos dos czares.

IMG_1054.JPG

Quando entrei havia esse mar de gente! Em Agosto as atrações são superlotadas na Rússia.

IMG_0979.JPG

Mas, com paciência, sempre se dá um jeito de fotografar. Abaixo o altar

IMG_0986.JPG

Estão enterrados aqui quase todos os czares da Rússia, desde Pedro, o Grande, passando por Catarina II, a Grande (na foto abaixo) até Nicolau II, o último czar.

IMG_1007.JPG

Em uma sala separada, visível por uma porta, onde sempre há uma fila enorme, estão enterrados o czar Nicolau II, a czarina Alexandra e três de seus cinco filhos: as grã-duquesas Olga, Tatiana e Anastácia, assassinados em 1918 pelo regime bolchevique.

Os corpos, enterrados em uma floresta em Ecaterimburgo, foram descobertos somente no ano de 1979. Porém, naquela época, ainda sob o regime comunista os corpos ficaram escondidos. A partir da década de 1990, cientistas americanos, ingleses e russos, com o avanço da medicina genética e dos testes de DNA começaram a pesquisa científica e conseguiram comprovar que a ossada encontrada pertencia realmente a última família imperial russa.

Em 1998 aconteceu o enterro na Catedral de São Pedro e São Paulo e no ano 2000 toda a família foi canonizada pela Igreja Ortodoxa Russa como santos mártires, por terem passado grande sofrimento com abnegação, paciência e humildade.

Os restos mortais dos outros dois filhos só foram descobertos em 2007, em uma cova próxima do resto da família e apesar de estar comprovada a identidade das ossadas de Maria e Alexei, estes ainda não foram enterrados junto com a família.

IMG_1033.JPG

IMG_1037.JPG

A Fortaleza possui alguns museus, mas não tinha interesse. Abaixo no portal de saída.

IMG_1060.JPG

IMG_1075.JPG

De todas as igrejas de São Petersburgo com certeza a mais famosa é a Catedral do Sangue Derramado. Do ano de 1907, ortodoxa russa, seu nome oficial é Igreja da Ressurreição do Salvador.

IMG_1140.JPG

A Catedral é conhecida pelo nome de Sangue Derramado e foi erguida neste local porque foi aqui, em 1881 que o Czar Alexandre II foi assassinado ficando seu sangue nas pedras da rua. Foi inspirada na Catedral de São Basílico em Moscou.

IMG_1242.JPG

O seu interior é magnífico, uma das igrejas mais lindas que eu já vi na vida! E olha que eu conheço muitas! No interior da igreja não tem bancos, na religião ortodoxa os fiéis ficam em pé e as suas paredes são todas de mosaicos.

IMG_1216

IMG_1178.JPG

IMG_1160.JPG

O altar é uma obra de arte e o entalhe é feito em mármore

IMG_1170

IMG_1200

IMG_1202.JPG

IMG_1220

IMG_1188.JPG

A Catedral do Sangue Derramado é uma das únicas igrejas no mundo que tem uma representação (imagem) de Jesus adolescente (desconheço outra).

IMG_1211.JPG

O único pedido do marido em St. Peters foi conhecer o Palácio Yusupov, como é conhecido o Palácio Moika, residência do príncipe Félix Yusupov, pois neste local foi assassinado Rasputin.

O Palácio foi construído em 1760 e posteriormente reconstruído em 1830. A família Yusupov era a segunda mais rica da Rússia, atrás apenas da família imperial.

Palácio Yusupov.jpg
Fachada do Palácio Moika – Foto: Wikipedia

IMG_1265.JPG

A fortuna da família Yusupov vinha de grandes extensões de terras na Sibéria, minas de carvão e comércio de peles. O sobrenome era de sua mãe, adotado pelo pai de Felix no casamento, para que o importante nome não desaparecesse.

O príncipe Félix Yusupov nasceu em 1887, era bissexual e gostava, às vezes, de se vestir de mulher, porque desde a infância foi acostumado a vestir roupas femininas por sua mãe, que queria muito ter uma menina. Casou com a princesa Irina Alexandrovna, sobrinha do Czar Nicolau II, tiveram uma filha que também se chamava Irina e o seu caso amoroso mais famoso foi com o Grão-duque Dimitri Pavlovich primo do czar.

IMG_1275
Felix  Yusupov e Irina Alexandrovna

A residência é espetacular, mesmo sobrando muito pouco das valiosas obras de arte, paixão dos Yusupov, pelo mobiliário é possível ter uma ideia do estilo de vida da família.

IMG_1297.JPG

IMG_1311.JPG

IMG_1319.JPG

IMG_1304.JPG

IMG_1320.JPG

IMG_1355.JPGA parte mais bonita do palácio para mim é o teatro. Sim, os Yusupov tinham um teatro particular e fiquei impressionada com os detalhes.

IMG_1336.JPG
Escada para chegar no teatro abaixo

IMG_1351.JPG

IMG_1349.JPG
O palco do teatro

Mesmo com toda a beleza do palácio ele não é famoso e visitado por isso, mas sim porque foi neste local, na madrugada de 17 de dezembro de 1916, que o príncipe Felix Yusupov, o grão-duque Dimitri e outros nobres e políticos assassinaram Grigori Rasputin, indignados com o poder e influência exercidos por ele sobre a família imperial.

Rasputin era um místico siberiano, que se intitulava “padre”, porém vivia embriagado, com um comportamento devasso,  totalmente incompatível com a sua função.  Em 1906 ele se aproximou da família por causa de Alexei, filho caçula do czar Nicolau II e herdeiro do trono. O menino era hemofílico, doença herdada de sua mãe Alexandra, neta da Rainha Vitória da Inglaterra que teve vários descendentes portadores da hemofilia.

o czarevitch (filho do czar) Alexei Nikolaevich (filho de Nicolau) sofria com hemorragias que não estancavam e Rasputin tinha o poder com seu toque ou oração de fazer parar os sangramentos e dores do menino, caindo nas graças da Imperatriz que passou a adorá-lo, pois era o único que conseguia curar seu filho nos períodos de sofrimento.

Com a influência de Rasputin ultrapassando todos os limites, dominando completamente a czarina que fazia tudo que ele queria, causando revolta na aristocracia russa, alguns nobres e políticos se uniram e montaram um grupo com o objetivo de matá-lo.

Assim, Felix Yusupov convidou Rasputin para ir a sua casa, chegando no palácio foi-lhe oferecido doces e vinho, em tese, envenenados com cianeto (depois o médico que participou da trama confessou que havia trocado o veneno por uma substância benigna – informações mais recentes do caso extraídas do livro Rasputin, do escritor americano Douglas Smith).

IMG_1280
Nobres russos reunidos no palácio Moika – conspiração para matar Raputin

No subsolo do Palácio Moika, onde os fatos aconteceram, foi montada a cena.

IMG_1286.JPG
Felix Yusupov à esquerda, Rasputin à direita

Como Rasputin não morreu após ingerir os doces e a bebida, Yusupov não viu outra alternativa a não ser lhe dar um tiro, que não o matou. Rasputin conseguiu sair do palácio cambaleando porém foi perseguido pelo grupo e recebeu mais dois tiros no pátio do palácio, desferidos pelo político Purichkevitch, morrendo finalmente, sendo posteriormente seu corpo jogado no rio.

Rasputin pela sua aparência, com 1,93 de altura, barba e cabelos longos e a sua trajetória entrou para a história cercado de lendas. 

Para ter acesso a esta parte do Palácio Moika, tem que adquirir o passeio guiado na bilheteria, pois tem um número máximo de visitantes por vez.

Muitos nobres e integrantes da família imperial foram assassinados pelo regime bolchevique. Félix Yusupov, pelo assassinato de Rasputin ficou em prisão domiciliar e depois foi para a Crimeia ficar com sua mulher e filha. Com a revolução a família fugiu da Rússia em um navio britânico para Malta. Félix conseguiu pegar apenas as jóias e dois quadros de Rembrandt, que foram a sua forma de subsistência no exílio. Fixou residência em Paris, porém não deixou de manter o estilo de vida a que estava habituado o que causou a extinção completa da fortuna dos Yusupov.

O príncipe Felix Yusupov faleceu aos 80 anos, com descendência da sua filha Irina até os dias atuais, a neta Xênia (1942), a bisneta Tatiana (1968) e as trinetas Marília (2004) e Yasmine (2006).

IMG_1291.JPG

O final da nossa visita ao Palácio Moika, “coincidiu” com a apresentação de um coral no salão de baile. A guia Nádia planejou tudo com precisão.  São quatro cantores (tenores) que sem qualquer instrumento musical para acompanhar fazem um espetáculo de incrível qualidade. As músicas são lindas e fiquei emocionada. É gratuito, os músicos vendem seus CDs no final.

Depois, nos despedimento de Nádia e fomos sozinhos no Museu Fabergé.

IMG_1418

O Palácio Shuvalov abriga a maior coleção do mundo de obras de Peter Carl Fabergé, joalheiro russo que criou objetos de arte de alta joalheria, em formato de ovo, entre os séculos XIX e XX, produzidos para os czares presentearem a família na Páscoa.

Os ovos Fabergé ficaram mundialmente famosos e sua aquisição disputada até os dias atuais. O número reduzido de peças existentes incentivou a falsificação e a produção de cópias em grande escala, muitas de baixa qualidade e de gosto duvidoso.

Particularmente são poucas as peças que acho bonitas, mas o museu não tem só os célebres ovos. O seu acervo é sensacional, me surpreendeu, adorei ter conhecido e realmente vale muito a pena a visita. Além das peças da Casa Fabergé: ovos e relógios, o museu possui objetos e utensílios de alta joalheria de vários artistas russos que  foram a partir do ano de 2004 recuperados e repatriados pela proprietária do museu, a Fundação Link of Times.

IMG_1375.JPG

O Ovo de Páscoa Bay Tree (verde abaixo) foi encomendado pelo czar Nicolau II para presentear sua mãe Maria Feodorovna na Páscoa de 1911. Feito em esmalte com ouro, nefrita, diamantes, quartzo, rubi, ametista e pérolas.

img_1370.jpg

O Ovo de Páscoa Lírios do Vale (abaixo) foi um presente do Imperador Nicolau II para a sua esposa a Imperatriz Alexandra Feodorovna na Páscoa de 1898, em esmalte com ouro, diamantes, rubis, pérolas e marfim.

IMG_1373.JPG

Os serviços de mesa em ouro e prata são fantásticos.

IMG_1404.JPG

IMG_1388.JPG

IMG_1408.JPG

O café do museu onde fizemos um lanche é um charme.

IMG_1416.JPG

Final de tarde de verão em São Petersburgo, às margens do Rio Fontanka, lindo demais

img_1421.jpg

Logo na esquina do museu Fabergé se encontra a Ponte Anichkov na Avenida Nevsky, é a mais importante a cruzar o rio Fontanka. De 1842, reconstruída em 1908, possui 55 metros de extensão.

IMG_1427.JPG

A primeira ponte era de madeira e foi construída em 1715 por Pedro, o Grande. A atual possui nas suas cabeceiras 4 esculturas de cavalos de bronze e seus trilhos (guarda corpo) são de ferro ornamentado. A ponte mais famosa de São Petersburgo já foi citada nas obras de Pushkin e Dostoievsky

IMG_1430.JPG

IMG_1437

A Nevsky Prospekt (Avenida) é a principal de São Petersburgo e possui 4,5 Km de extensão, com lojas, restaurantes, bares, palácios e igrejas.

IMG_1439.JPG

A loja mais interessante da avenida é o Magazin Kuptsov Yeliseyevykh, no número 56. Suas vitrines são lindas e o interior uma tentação com doces, chocolates e balas. Tem um café no centro que vive lotado e serve refeições ligeiras também.

IMG_1481.JPG

Os bonecos das vitrines se mexem deixando as crianças encantadas.

IMG_1445.JPG

IMG_1451

IMG_1456

IMG_1463

IMG_1471

Também na Avenida Nevsky tem um monumento à Catarina a Grande e o prédio da Livraria Casa Singer, em estilo Art Nouveau.

IMG_1479

IMG_1486

Do outro lado da rua se encontra a Catedral de Nossa Senhora de Kazan, construída em 1801 e que voltou a ser igreja em 1992, após a queda do regime comunista.

IMG_1489

A igreja é linda, mas infelizmente dentro não podia fotografar. No seu interior possui o ícone da Nossa Senhora de Kazan, considerado milagroso pela religião ortodoxa russa.

Em 1579 a casa onde morava uma menina chamada Matrona, de 9 anos, sofreu um incêndio, na cidade de Kazan, Rússia. Essa menina teve um sonho onde a Virgem Maria lhe indicou que havia um ícone embaixo das cinzas. Foram realizadas buscas e de fato, foi encontrado um ícone (pedaço de madeira com imagem de Nossa Senhora) envolto em um pano muito antigo, provavelmente do século XIII.

A imagem virou objeto de devoção na Rússia, sendo adorada por milhões de fiéis. É considerada a protetora da Rússia nas guerras e responsável por suas vitórias. Também há relatos de milagres principalmente na recuperação da visão de pessoas cegas.

O ícone (imagem) foi instalado em uma igreja na cidade de Kazan, depois foi para Moscou e finalmente na Catedral de Nossa Senhora de Kazan construída para ela, em São Petersburgo. Porém, com a revolução bolchevique o ícone desapareceu sendo encontrado tempos depois na Polônia. Integrantes do “Exército Azul de Nossa Senhora” em 1970 conseguiram comprar o ícone e o levaram para a cidade de Fátima em Portugal, esperando a conversão do povo russo, um dos pedidos da Virgem Maria nas suas aparições em Fátima, conforme relato da pastorinha Lúcia.

O Papa João Paulo II em 2004 devolveu o ícone ao patriarcado de Moscou e desde então se encontra na Catedral de Nossa Senhora de Kazan em St. Petersburgo.

O ícone é um pedaço (quadrado) de madeira e foi pintado (provavelmente) em Constantinopla, no século XIII. Em estilo grego-bizantino possui a imagem de meio corpo da Virgem carregando Menino Jesus ao colo.  No século XVII recebeu uma lâmina de prata deixando visível apenas os rostos, com incrustações em diamantes, esmeraldas, pérolas e safiras.

Não é possível fotografar o ícone. Existem muitas versões, mas o original é este:

Russia: The Icon of Our Lady of Kazan (also known as
Foto do site: www. acn-canada.org

E se encontra no altar da Catedral de Kazan onde as fiéis fazem fila para rezar em frente à imagem.

Kazan_Cathedral,_Saint_Petersburg,_Russia_02.jpg
Interior da Catedral de Nossa Senhora de Kazan – Foto: http://www.fi.wikipedia.org

As igrejas da religião ortodoxa russa não possuem bancos e as mulheres devem entrar com a cabeça coberta por um véu. Em todas as igrejas que entrei não foi exigido, penso que por ser turista, diferente do que acontece nas mesquitas em Istambul por exemplo, onde cobrir a cabeça é obrigatório.

E, assim, terminamos os dois primeiros dias em São Petersburgo. No próximo post vou mostrar a nossa visita no Museu Hermitage (sonho realizado), passeio de barco, as estações de metrô e os Palácios de Catarina e Peterhof nos arredores da cidade. Além, claro, de contar sobre os restaurantes e bares incríveis que fomos na Rússia (St. Peters e Moscou).

IMG_1518.JPG
Anoitecer em São Petersburgo – Vista da Brasserie Bellevue

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tallinn

A primeira vez que eu ouvi falar de Tallinn foi há alguns anos quando um colega de trabalho comentou que tinha feito um cruzeiro pelo Báltico e conhecido uma cidade medieval linda chamada Tallinn.

Fiquei com esse nome na cabeça e corri para o Dr. Google para pesquisar e me encantei, pensei: um dia ainda vou conhecer esse lugar.

E esse dia chegou: Em agosto de 2019, incluí Tallinn no meu roteiro de viagem para Escandinávia e Rússia.

IMG_9889.JPG
Viru Gate

Tallinn é a capital da Estônia, fica no mar Báltico, no Golfo da Finlândia.  Foi fundada no ano de 1154. Tem 159 Km² e 430.000 habitantes e está a uma distância de 80 km de Helsinque. A Estônia faz fronteira com a Letônia e a Rússia.

A Estônia junto com Letônia e Lituânia formam os três países Bálticos que em 1991 conseguiram a independência (da anexação forçada) da União Soviética (URSS).

Para visitar Tallinn fui de ferryboat, comprei as passagens no Brasil pela internet no site http://www.aferry.pt

A viagem dura 2 horas. As principais empresas que fazem esse trajeto são Tallink, Eckeroline e Vikingline. Comprei pela Eckero na ida e pela Tallink na volta. Fica mais barato comprar os dois bilhetes (ida e volta) pela mesma empresa, mas os horários não me agradaram, ou muito cedo ou muito tarde.

img_9833.jpg

Tem que prestar bastante atenção em qual terminal parte o seu ferry em Helsinque, porque muda conforme a empresa. Precisa levar passaporte por ser uma viagem internacional e chegar um pouco antes para trocar o bilhete on line pelo tíquete do barco no guichê do terminal. Como cheguei bem cedo (sempre) não peguei fila, foi bem tranquilo.

O terminal de Helsinque é impressionante, parece um aeroporto (dos bons). Muito organizado. O barco é enorme e parece um transatlântico, desses de cruzeiro. Como não sabia se havia lugar suficiente para sentar, porque são milhares de passageiros, comprei o tíquete no lounge, que tem um serviço VIP, sofás, banheiro privativo, lanche tipo buffet de cortesia, bem confortável. Mas, vi lá que não era necessário.

IMG_9839.JPG

IMG_9843.JPG

Como falei o barco é imenso e tem muitos locais para sentar, tem vários restaurantes e bares e um palco com cadeiras para assistir o show. Tinha um conjunto tocando muito bom! Tem também máquinas de caça níquel, todo o deck superior para ver a paisagem (mar e nada mais) além da ventania de praxe. Há também cabines com cama e banheiro mas não vi necessidade em uma viagem tão curta (além de serem claustrofóbicas).

img_9857.jpg

IMG_9853.JPG

img_9866.jpg

IMG_0209

Por fim, tem o free shop. É enorme! Agora o engraçado é que o barco vai lotado, daí você pensa, claro para visitar Tallinn! Não! Para comprar bebidas alcoólicas! É isso mesmo. Dezenas, centenas eu acho, de homens fazem bate e volta para Tallinn, nem saem do porto, para voltar para Helsinque abastecidos de garrafas de bebida alcoólica.

IMG_9875

Como mencionei aqui Helsinque na Finlândia existe um imposto muito alto sobre as bebidas, então o povo esperto sempre encontra uma saída, em Tallin não tem essa alta taxa e no ferry é preço de dutyfree, assim, vão todos com malas vazias e abastecem no barco a preços bem mais baixos! Muitos também já consomem por ali e vemos uns jovens bem alcoolizados, mas nada que perturbe o sossego da viagem. Também não resisti, na volta comprei uma garrafa de champagne por um preço ótimo.

Chegando no porto peguei um táxi (distância de 2,0 km) e pedi para me deixar em frente ao Viru Gate onde comecei o meu roteiro.

IMG_9886.JPG

O Viru Gate é o símbolo da cidade, um par de torres do século XVIII, sobreviventes de um sistema de portais que já existiam e protegiam a cidade na idade média. O portão foi derrubado em 1880 para dar espaço ao tráfego. As suas cúpulas são de telhas. A partir dele a área é pedonal.

Assim que passei o portão virei à direita na rua Müürivahe para ver as muralhas da cidade, no trajeto (bem curto) tem várias barraquinhas que vendem artigos de lã como blusas e gorros.

IMG_9894.JPG

IMG_9923.JPG

No outro lado da rua, em frente a muralha, com uma fâmula no alto indicando, está a passagem de Santa Catarina – Katariina Käik, para mim o lugar mais incrível de Tallinn.

A Passagem de Santa Catarina é uma via medieval com construções que datam dos séculos XV a XVII e abriga a Guilda de Santa Catarina, uma cooperativa de artesãos com lojas que vendem artigos em vidro, bonecas, cerâmica, jóias, seda e algumas oficinas onde é possível ver os artesão trabalhando.

IMG_9901.JPG

Muitas lojas estão abaixo do nível do solo, precisa descer uma escada íngreme para visitar, achei o máximo! Como eu amo cidade medieval!

IMG_9899.JPG

E tem que abaixar a cabeça para não bater no teto da escada!

IMG_9919.JPG

Fiquei encantada por essa loja de bonecas, eram muito bem feitas, obras de arte. Loja Art Doll House. Site: http://www.estoniadolls.com

IMG_9909.JPG

IMG_9911.JPG
O preço é em Euros (moeda da Estônia)

Quase no final da Passagem, ou início depende de que lado se entra, existe um pátio de uma Igreja e um antigo monastério com pedras de tumbas antigas fixadas na parede, já chegando na Rua Vene.

IMG_9917

IMG_9914

Eu fui e voltei na Passagem para apreciar bem todos os seus detalhes. Retornei ao Viru Gate para passear pelo calçadão da Rua Viru, com muitas lojas e restaurantes e aqui me apaixonei por uma jaqueta de couro azul e amarela com uma arara nas costas e resolvi comprar e também uma outra jaqueta de couro em um tom verde lindo (Loja Soft Gold). Tem muitas lojas de artigos de couro de excelente qualidade em Tallinn.

IMG_9926.JPG
Marido não resistiu em fotografar com o boi de bronze da Goodwin Steak House

No final do calçadão da Rua Viru já deu para perceber que estávamos chegamos no coração de Tallinn, a praça central (Raekoja Plats).

IMG_9927

Tallinn é dividida em duas partes: Vanalinn (cidade baixa) que compreende o seu centro histórico e Toompea (cidade alta). Na praça central se encontra a Prefeitura e a Farmácia e no seu entorno algumas igrejas (já vou falar sobre elas).

A quantidade de gente durante o dia no verão em Tallinn por conta dos cruzeiros é absurda, tem que ter paciência, de manhã cedo e depois das 17h fica bem tranquilo. Infelizmente, como fiz bate e volta, tive que lidar com esse mar de gente.

Deu para perceber também roupas de todo tipo, não é mesmo? Porque pela manhã cedo é frio, depois vai esquentando, mas o dia estava feio, com poucas aberturas de sol, então era um tal de tira casaco, coloca casaco (fui com um bem leve e não passei frio).

IMG_9941.JPG

A praça central é do século XI, possui o chão levemente inclinado e tem muitos restaurantes e bares.

IMG_9945

A Prefeitura de Tallinn, construída entre 1402 a 1404, é a única de arquitetura gótica que permaneceu intacta no norte da Europa. A sua torre tem 64 metros de altura e possui um pináculo, de 1530, com a estátua de bronze do guerreiro Old Thomas (o velho Vana Toomas), símbolo e guardião de Tallinn.

IMG_9930.JPG

IMG_9942.JPG

As calhas, logo abaixo do telhado, tem cabeça de dragão

img_0138.jpg

No interior da Prefeitura (que também é Câmara Municipal) tem um pequeno museu.

IMG_9951.JPG

A atração principal da praça central é sem dúvida a farmácia (Raeapteek). Do ano de 1422 é a mais antiga farmácia em funcionamento na Europa.

IMG_9959.JPG

A farmácia teve como proprietários 10 gerações da mesma família – Burchart – de 1581 a 1911. O Czar russo costumava encomendar remédios aqui. Agora pergunta se eu consegui comprar algo aqui? Impossível! Eram dezenas de pessoas se acotovelando, só três atendentes, nem o balcão consegui fotografar, só vi alguns produtos como cremes para as mãos e pés.

Anexo a farmácia, a Sala de Exposições dos utensílios dos séculos XVII a XX.

IMG_9966.JPG

Curiosidade: os produtos (remédios) que era vendidos aqui na idade média: poção de pele de cobra, suco de múmia, pó de chifre de unicórnio (para potência masculina), geléias e pólvora.

IMG_9963.JPG

A Igreja do Espírito Santo (Puha Vaimu Kirik) fica muito próximo à praça central, na Rua Puhavaimu, entre as ruas Pikk e Vene. É a igreja mais antiga da cidade, do século XIV, de arquitetura gótica com um relógio do ano de 1680, o mais antigo de Tallinn.

IMG_9978

IMG_9979

IMG_9985.JPG

IMG_9989.JPG

IMG_0002.JPG

Em frente a Igreja o Museu de História da Estônia (não entrei)

IMG_0011.JPG

IMG_0132.JPG

A Rua Pikk é uma das mais interessantes de Tallinn para passear e bem próximo da Igreja do Espírito Santo está o Maiasmokk Café, o mais antigo da cidade, desde 1864. O ambiente é muito bonito, agora advinha? Não consegui uma mesa para sentar, nem comprar uma caixa de chocolates porque estava lotado, com uma fila enorme dentro, realmente alta temporada não é para os fracos (isso porque era uma segunda-feira).

IMG_0135.JPG

IMG_0018.JPG

Seguindo pela Rua Pikk, encontrei essa porta, sonho para qualquer fotógrafo, a arquitetura dos prédios dessa rua é a mais bonita de Tallinn

IMG_0029.JPG

IMG_0026.JPG

IMG_0042

IMG_0012.JPG

IMG_0034.JPG

IMG_0035.JPG

 

Quase no final da Rua se encontra a Igreja de São Olavo, dedicada ao Rei Olaf II da Noruega, mas estava fechada toda em obras de restauro.

IMG_0037.JPG

Voltamos toda a rua Pikk para ir em direção a parte alta da cidade (Toompea), após passar o portal a rua passa a se chamar Pikk Jalg

IMG_0045.JPG

IMG_0046.JPG

A rua apresenta uma subida até chegar na parte de cima da colina

IMG_0050.JPG

Tem alguns artistas expondo as suas obras no trajeto. Na subida esquentou e o marido tirou o casaco.

IMG_0055.JPG

Quase lá! Já dá para ver um pedacinho da catedral russa.

IMG_0057.JPG

Chegamos na praça central, no cume da colina de Toompea, a parte alta da cidade de Tallinn composta pelo Castelo de Toompea (Palácio rosa), hoje sede do Parlamento da Estônia e pela Catedral Alexander Nevsky.

IMG_0072.JPG
Parlamento da Estônia

O Palácio Rosa, em estilo barroco, é da época de Catarina a Grande. Em frente ao Parlamento está a Catedral Alexander Nevsky, principal igreja ortodoxa russa da Estônia. De 1900, quando o país fazia parte do império russo.

IMG_0065.JPG

A igreja é dedicada ao Príncipe Alexander Nevsky que liderou e venceu a Batalha no Gelo em 1242 contra os cavaleiros teutônicos que queriam dominar a Estônia. Considerado herói e mito na Rússia e santo na igreja Ortodoxa.

IMG_0067.JPG

As torres tem 11 sinos, o maior pesa 15 toneladas.

IMG_0069.JPG

Próximo a catedral há outra igreja de interesse para visitar. A Catedral de Santa Maria a Virgem, era a igreja dos nobres alemães na Estônia. Começou a ser construída em 1233, mas a sua estrutura principal é do século XIV, por fim a sua torre foi acrescentada em 1770, no estilo barroco.

IMG_0076.JPG

IMG_0116.JPG

IMG_0113.JPG

IMG_0103.JPG

No interior da igreja, nas suas paredes, existem dezenas de brasões funerários dos séculos XVII a XX. Está enterrado nesta igreja o Almirante Samuel Greig de Fife, que foi amante de Catarina a Grande.

IMG_0099.JPG

A vista do alto da colina para a cidade baixa é famosa em Tallinn e tem alguns miradouros no entorno da praça central de Toompea, os mais indicados são o Patkuli e o Kohtuotsa. Porém, à tarde, o céu ficou muito nublado, impedindo a visibilidade. Selecionei duas fotos na internet (abaixo) para se ter uma ideia da beleza da cidade.

estonia-912315_1280-768x410
Foto do site: http://www.unitur.com.br
vaateplatvorm_kadi-liis_koppel_2015_35_-768x512
Vista do miradouro de Patkuli, foto do site: http://www.unitur.com.br

Descemos a colina e chegamos novamente em Raekoja, a praça central do centro histórico com a sua Prefeitura e fomos almoçar.

IMG_0136.JPG

IMG_0141.JPG
Coisas de Tallinn – Raekoja Plats

A quantidade de restaurantes em Tallinn é impressionante, alguns com fachadas bastante originais

IMG_0122

IMG_0120

IMG_9974

IMG_9918

IMG_0040

IMG_9937.JPG

Optamos pelo restaurante Clayhills e adoramos, a comida estava fantástica.

IMG_0123.JPG

Depois fomos conhecer a Igreja de São Nicolau, originalmente construída em 1230, mas totalmente destruída nos bombardeios da 2ª Guerra Mundial, em 1980 foi reconstruída e hoje abriga um museu de obras de arte religiosas, retábulos e sepulturas medievais.

IMG_0149.JPG

IMG_0173.JPG

IMG_0162.JPG

Em uma sala anexa da Igreja se encontra a Pintura Danse Macabre (Dança da Morte) de Bernt Notke, do final do século XV. O artista também fez a escultura de São Jorge e o Dragão da Catedral de Estocolmo.

Havia uma outra obra, Danse Macabre de Bernt Notke, na Catedral de Lübeck, na Alemanha, com 30 metros de largura, que foi destruída em um bombardeio dos aliados. O fragmento exposto em Tallinn tem 6,40m.

As ruas no entorno da praça central tem muitos restaurantes, cafés, ateliês de arte, oficinas de artesãos e o seu comércio é muito interessante, porque ainda não foi invadido (contaminado) por lojas de rede que tornam as compras na maioria das cidades todas iguais.

Em Tallinn se encontram muitos artigos originais, típicos, de influência medieval e viking e as próprias lojas são um charme, adorei.

IMG_9975

Tallinn é considerada a cidade medieval mais bem preservada da Europa e o seu centro histórico – Vanalinn – parece saído de um conto de fada.

Embora sempre considero melhor ficar pelo menos uma noite no local para sentir a sua magia, o que seria ideal em Tallinn, o passeio bate e volta deu para conhecer as principais atrações da cidade e entender que ela é realmente muito especial. Em uma viagem para a Escandinávia ou Rússia, ou para os dois como nós fizemos, a minha dica é: não deixe de acrescentar Tallin no seu roteiro, eu voltei encantada.

 

Helsinque

Helsinque foi o nosso terceiro destino, tecnicamente a Finlândia não pertence a Escandinávia, mas em razão da sua posição geográfica, da proximidade com os três (Noruega, Dinamarca e Suécia) é considerada integrante em um sentido mais amplo.

Não esperava muito da cidade, talvez um pouco sem graça, nada disso! Helsinque é maravilhosa, fiquei apaixonada. 

IMG_0535.JPG
Pier Kanavaranta – Katajanokka

Fiquei 3 diárias no Hotel Kamp e dois dias na cidade, porque fiz um bate e volta para Tallinn na Estônia, que vou contar no próximo post. Provavelmente porque fui no verão, achei a cidade animada, alto astral e com muitos lugares para conhecer, dois dias foi pouco.

O Hotel Kamp é super bem localizado, fica a poucos passos da maioria das atrações.

A moeda é o euro o que já facilita, já que em Copenhagen e Estocolmo por ser moeda própria tem aquela chatice de ficar procurando casa de câmbio para trocar, tem situações que falta, usar o cartão mais do que se gostaria, no final sempre sobra um pouco, que no meu caso acabo guardando de lembrança e também dou para um amigo que faz coleção e para o meu pai.

IMG_0620.JPG
Fachada moderna do Hotel Kamp

O Hotel Kamp tem duas fachadas: a moderna, que é a entrada principal dos hóspedes e a antiga, onde se encontra a brasserie (restaurante do hotel) e o bar. O detalhe do arranjo de flores lindo na entrada: com pingentes de vidro!

IMG_0623.JPG

IMG_E0757
A fachada antiga com foto do site do hotel: http://www.hotelkamp.com

Já comentei nos outros posts que a educação e gentileza na Escandinávia é algo excepcional e Helsinque não fugiu a regra. O Hotel Kamp é lindo, tem ótimas instalações, só que o que chama a atenção mesmo é o seu staff extremamente simpático. Eu amei ficar neste hotel, além da beleza e do conforto a sua excelente localização fez o pouco tempo que eu tinha na cidade render.

IMG_9682.JPG

IMG_9608

Depois de 1 hora de vôo de Estocolmo pela Norwegian (excelente) deixamos as malas no hotel e fomos para o museu Ateneum, arte finlandesa do século XVIII até 1950, mais pinturas como Van Gogh, Cezanne, Chagal.

IMG_9692.JPG

img_9629.jpg

IMG_9648.JPG

IMG_9636.JPG

Em frente ao museu está a Rautatientori, a praça da estação de trem com a estátua do escritor Aleksis Kivi e a fachada do Teatro Nacional Finlandês.

IMG_9696
Mimetismo

IMG_9708.JPG

Ao lado da praça (foto abaixo) a estação central de Helsinque, onde três dias depois pegamos o trem para St. Petersburgo

IMG_9713.JPG

As ruas do centro de Helsinque são lindas e o que mais me chamou a atenção foi a quantidade de flores. Em toda loja, fachada, poste, jardim, tem flor. É impressionante como a cidade é bem cuidada, superou todas as outras neste aspecto.

IMG_9767.JPG

IMG_9769.JPG

Em frente ao nosso Hotel Kamp na Pohjoisesplanadi está o Esplanadi, o parque de pedestres mais lindo de Helsinque, era só atravessar a rua e passear, uma delícia. Além dos muitos jardins com flores tem café, restaurante, fontes, banca de jornais e revistas, quiosque com Munkki, as famosas rosquinhas finlandesas.

IMG_9732

E a estátua de Johan Ludvig Runeberg, considerado o poeta nacional da Finlândia, de costas, porque o sol a esta hora estava bem forte e a foto de frente não funcionou

IMG_9736

IMG_9744

img_9727.jpg

IMG_9748
Fonte Havis Amanda símbolo da cidade

Depois fomos passear pelas ruas do Design District e foi a região que eu mais gostei de Helsinque, muito perto do Hotel Kamp, do outro lado do parque Esplanadi. Subimos a rua Korkeavuorenkatu em direção ao Museu do Design. Vale a pena passear pelas ruas no entorno do museu, são muitas lojas, restaurantes e bares lindos.

A arquitetura dos prédios dessa área é muito interessante

IMG_9777.JPG

IMG_9778.JPG

IMG_9804

IMG_9779.JPG

Abaixo a fachada do Museu do Design de Helsinque, parece de brinquedo!

IMG_9787.JPG

IMG_9790.JPG

Quase em frente ao Museu do Design está a Johannes Kastaja, a linda Igreja de São João, no meio do parque Johannesksenpiuste

IMG_9801.JPG

O prédio mais bonito dessa rua fica ao lado do Museu do Design, no número 21 da Korkeanvuorenkatu, reparem nos detalhes da fachada

IMG_9794.JPG

IMG_9795.JPG

Final de tarde um drinque no Kamp Bar, mesa externa em frente ao parque Esplanadi

IMG_9811.JPG
O drinque do marido veio dentro da coruja de cobre

E jantar na Brasserie Kamp. O restaurante do hotel de cozinha francesa é excelente

IMG_9822.JPG

IMG_9821

IMG_9825

Novo dia, acordar cedo para render! Primeira parada: A Biblioteca Central OODI – que significa Ode. Novíssima, inaugurada em dezembro de 2018, custou 98 milhões de euros. O finlandês é o povo mais letrado do mundo, cada habitante lê em média 16 livros por ano.

IMG_0292

IMG_0260

IMG_0264

A escada da Biblioteca, em espiral dupla, é uma obra do artista Otto Karvonen, intitulada Dedicação. São 400 dedicatórias pintadas nas paredes internas da escada. Foi feita uma campanha pública no site da biblioteca para que fossem selecionados os temas. São palavras como: entusiastas, heróis, nós, reformadores, os incompreendidos, os mortos, vencedores, crianças, bruxas, analfabetos, amigos, enfim, a todos aqueles que de alguma maneira as pessoas acham que a biblioteca com seus livros tem conexão.

IMG_0266

IMG_0283

IMG_0272

A Biblioteca Central de Helsinque abre todos os dias, de segunda a sexta a partir das 8:00 até às 22:00 horas, Sábados e domingos das 10:00 às 20:00h. Chegamos antes das 9h e ela já estava assim, com várias pessoas lendo, estudando, a gente chega a se emocionar, não há realmente outra forma de melhorar a condição das pessoas e de um país que não seja pela educação.

IMG_0288

Em Helsinque, ao contrário de Estocolmo, amanhecia frio, com céu bem nublado e depois ia abrindo e virava um dia lindo de sol. No decorrer do post dá para ver. A Biblioteca Oddi fica próxima ao Museu de Arte Contemporânea Kiasma e do Helsinki Music Center (foto abaixo)

IMG_0295

O Museu de Arte Contemporânea Kiasma tem um prédio em forma de container e expõe obras a partir dos anos 1960.

IMG_0304

IMG_0309.JPG
Obra Nervescape VIII 2019 – Hrafnhildur Arnardóttir
img_0318.jpg
Obra RNP2S 2018 – Andris Eglïtis
IMG_0321.JPG
Obra da mostra Howl – Sonja Jokiniemi

Depois a louca por museus passou na frente do Museu de História Natural e não resistiu

IMG_0326.JPG

Este museu é muito bom, para quem está com crianças então,  imperdível.

IMG_0329.JPG

IMG_0361.JPG

IMG_0375.JPG

IMG_0347.JPG

IMG_0369.JPG

Uma das atrações mais famosas de Helsinque é a Temppeliaukio Kirkko, uma igreja construída no interior de uma rocha de granito.

img_0394.jpg

IMG_0417

Igreja luterana, inaugurada em 1969, possui uma acústica perfeita para concertos e tive a sorte de quando entrei começou um concerto lindo de piano.

IMG_0399.JPGO teto da Temppeliaukio é uma cúpula feita com 22 km de fita de cobre. Possui 24 metros de diâmetro e unida a rocha por claraboias que trazem a iluminação natural para dentro da igreja.

IMG_0404.JPG

Para quem gosta de compras a Aleksanterinkatu é uma das principais ruas de comércio de Helsinque, inclusive fica aqui a Stockmann a sua famosa loja de departamentos, só entrei rápido para conhecer e depois fiquei caminhando pela rua e no seu entorno que tem também um calçadão e prédios lindos.

IMG_0419.JPG

IMG_0420.JPG

Já a praça do Senado é a principal da cidade onde se encontram: a Catedral, o Conselho de Estado e a Universidade.

A Catedral de Helsinque (Tuomiokirkko) é uma igreja luterana do ano 1852. Foi construída em tributo ao Czar Nicolau I, Imperador da Rússia, conhecida como Igreja de São Nicolau até a independência da Finlândia em 1917.

IMG_0610

O seu estilo é neoclássico e possui 5 cúpulas verdes com estátuas dos 12 apóstolos.

IMG_0612

Em frente a Catedral, a estátua de Alexander II, filho mais velho do Imperador Nicolau I

IMG_0591

IMG_0596

Como estava perto da hora do almoço e com muita fome, fomos para o Mercado Municipal – Kauppatori de frente para o Mar Báltico.

IMG_0587.JPG

Eu amo mercado e o de Helsinque é ótimo, em funcionamento desde 1889, possui muitos produtos alimentícios, carnes, peixes, enlatados e vários restaurantes.

IMG_0445.JPG

IMG_0446.JPG

Almoçamos aqui no E. Ericksson e foi muito bom.

IMG_0438.JPG

Comida deliciosa e a mesa era tão pequena que a garrafa de vinho teve que ficar no banco!

img_0431.jpg

Em frente ao mercado, na sua praça tem uma feira com muitas barracas de comida e souvenirs. Dá para resolver muitos presentinhos aqui porque tem coisas bem legais e interessantes. 

img_0583.jpg

No centro o Obelisco de Pedra de 1835 em honra ao czar Nicolau II e a czarina Alexandra. Amo quando passa uma gaivota na hora da foto.

IMG_0576.JPG

A feira fica em frente ao porto onde os pescadores descarregam pela manhã e onde também saem os barcos que fazem passeios ou transporte para as outras ilhas.

img_0582.jpg

Muito próximo do mercado (500 m) na ilha/bairro Katajanokka se encontra a Catedral Uspenski, uma igreja ortodoxa cristã dedicada a dormição de Theotokos. Dormição significa morte e Theotokos a Virgem Maria. Uma das grandes celebrações da igreja ortodoxa e a última festa do ano litúrgico bizantino é a assunção de Maria.

IMG_0504.JPG

A Catedral foi construída durante o período do czar Alexandre II que era também o soberano do grão ducado da Finlândia, suas paredes são de tijolos vermelhos e as cúpulas verdes com cebolas douradas, em um total de 13 representam Cristo e os 12 Apóstolos.

IMG_0485.JPG

A igreja fica em uma pequena colina de fácil acesso e fecha às segundas feiras. Sábado e domingo o seu horário de visitação é bem reduzido (12:00 às 15:00). Durante a semana das 9:30 às 20:00 horas. Vale a pena se programar para conhecer o seu interior que é lindo e pode fotografar.

IMG_0472.JPG

IMG_0477.JPG

IMG_0460.JPG

Katajanokka, a ilha onde está localizada a Catedral Uspenski, é acessível pela ponte Kanavakatu e é um lugar muito agradável para passear, tanto durante o dia quanto à noite.

IMG_0554

IMG_0671

IMG_0549.JPG

Neste prédio funciona um complexo de bares e restaurantes, onde voltamos à noite para jantar e tomar uns drinques. A vista aqui para mim foi a mais bonita de Helsinque.

IMG_0541.JPG

img_0538.jpg

IMG_0532.JPG

Voltando em direção à praça do mercado a vista também é linda, me apaixonei por Helsinque, muita saudade.

IMG_0566.JPG

IMG_0575.JPG

img_0581.jpg

A Escandinávia é famosa pelo design e um exemplo em Helsinque é a Kampin Kappeli, na Praça Narinkka. Conhecida como a Capela do Silêncio, por ser um local para se acalmar, ter um momento para reflexão e silêncio em uma das áreas mais movimentadas da cidade.

IMG_0656.JPG

Fui sozinha, o marido não quis ir, então pedi para um “japonês” fazer essa foto. Ele não falava inglês, mas na mímica deu tudo certo, aliás essa dica é antiga e não falha, precisou de foto pede para um asiático, fica top!

IMG_0658A capela é toda feita de ripas de madeira de abeto tratadas com cera. Um templo ecumênico inaugurado em 2012. Não pode fotografar no seu interior, foto abaixo da internet.

helsinki_attractions_kamppi_chapel_architecture_1200x700
Foto do site: http://www.discoveringfinland.com
IMG_0661.JPG
Praça Narinkka

Ao lado da Praça Narinkka está a praça Lasipalatsi onde foi construído o Museu Amos Rex, inaugurado em 2018, que fica no subsolo. A construção em formas curvas e cúpulas que podem chegar a 3,5 m do solo é popular entre crianças e adolescentes que adoram escalar as suas formas, que são na realidade o teto do museu, cujo acervo possui as 250 obras de arte moderna de propriedade de Amos Anderson, que foi dono do maior jornal em língua sueca da Finlândia e patrono das artes.

IMG_0651

À noite voltamos a Katajanokka, fomos no bar Crazy Wine para uns drinques e depois jantamos no Ravintola Nokka (ravintola é restaurante em finlandês).

As duas primeiras fotos fiz durante o dia quando passei na frente do Crazy Wine, que fica na Kanavaranta, 3  e achei tão lindo por isso fui à noite, no mesmo complexo do restaurante Nokka, algumas portas antes.

IMG_0546.JPG

IMG_0545.JPG

IMG_0704.JPG

IMG_0700.JPG
O meu drinque era um tipo de pina colada e vinha dentro dentro desse abacaxi dourado

O Ravintola Nokka é especializado em carnes. Vive lotado, melhor fazer reserva.

IMG_0527.JPG

O Nokka é um restaurante que tem uma preocupação enorme com a origem de seus produtos, promove pequenos mercados com agricultores que vendem diretamente para os consumidores, todos os produtos são certificados, orgânicos.

IMG_0674.JPG

IMG_0709.JPG
Cordeiro delicioso
IMG_0712.JPG
A vista do Ravintola Nokka

À noite, no pier junto a Kanavaranta, Helsinque é ainda mais linda.

IMG_0721.JPG

Quanto as compras, achei Helsinque incrível e o lugar que eu mais gostei foi a Kamp Galleria, um mini shopping muito charmoso com uma curadoria de marcas bem legal.

IMG_0665.JPG

Tem várias entradas, ela ocupa uma quadra, com acesso pelas quatro ruas, uma em frente ao parque Esplanadi, outra pela Aleksanterinkatu (a rua de compras) e até um acesso privativo para os hóspedes do Hotel Kamp.

img_0627-1.jpg

Do meu quarto eu tinha vista para essa cúpula. A loja que eu comprei algumas peças (blusas) que depois usei em São Petersburgo foi a “& Other Stories” (não é essa da foto). Tem roupas, sapatos, acessórios, produtos de beleza, com um preço ótimo, fiquei louca!

IMG_0630Mais uma vez, passando pela Aleksanterinkatu, a principal via de Helsinque que tem de tudo, arquitetura linda, lojas, restaurantes, bares e artistas de rua, muito movimento e animação.

IMG_0641

Cada prédio uma surpresa

IMG_0423

IMG_0422

IMG_0645

No final da Aleksanterinkatu a estátua de bronze “Kolme Seppää”, de 1932 do artista Felix Nylund. São três ferreiros nus martelando em uma bigorna que simboliza o trabalho humano e a cooperação entre as pessoas.

IMG_0648

Na segunda noite, quando voltamos de Tallinn, fomos jantar perto do hotel, no restaurante Salutorget. Especializado em frutos do mar, fica em um salão Art Nouveau no antigo edifício do Banco da Finlândia.

IMG_0246.JPG

IMG_0231.JPG

Comida e serviço excelentes, localização fantástica, um dos melhores da cidade.

IMG_0237

IMG_0238

Algumas pessoas me perguntaram se a Escandinávia é cara mesmo como comentam. Barato ou caro é muito relativo, o que eu percebi é que em restaurantes e bares do mesmo nível, por exemplo, em Paris é mais caro. Lugares baratos e caros para se hospedar e comer tem em todos os lugares. Claro que em cidades do interior ou países como Portugal e Espanha os valores são mais baixos mesmo.

Não costumo achar cara comida de qualidade em ambiente idem, porque sei todos os custos que envolvem este tipo de empreendimento. O que me chamou a atenção foi o preço das bebidas alcoólicas, em especial em Helsinque. É bem alto, porque o tributo em cima é pesado. Inclusive os moradores driblam esse “problema” indo comprar em Tallinn, fato que comento em detalhes no próximo post.

A Escandinávia possui uma das melhores qualidade de vida do planeta, os impostos são pesados, mas, diferente do Brasil, reverte em serviços públicos de excelência para a população. Assim, o custo de vida é alto, mas nada que impeça de visitar. Existem diversos lugares para se hospedar e comer a preços bem razoáveis.

Se há 10 anos alguém me perguntasse: E aí, não tem vontade de conhecer a Escandinávia? Eu responderia: Não! Tem lugares bem mais interessantes no mundo para conhecer. Que bobagem, ainda bem que eu mudei, antes tarde do que nunca diz o ditado! A Escandinávia é um daqueles lugares que eu chego a conclusão: por que demorei tanto tempo para ir? Amei tanto, fiquei tão encantada e o difícil do blog é justamente rever as fotos, comentar sobre esses lugares incríveis, porque dá uma saudade imensa, uma vontade de ser teletransportada para lá, urgente!

Então, se você gosta de arte, cultura, organização, segurança, limpeza, educação, simpatia e beleza em tudo: na arquitetura, nas pessoas (insuportável hehehe), na natureza, quem não gosta? Corre para lá, você não vai se arrepender, porque o único defeito da região que é o clima (algum tinha que ter) a gente no final nem dá bola, são tantas as qualidades. Não vejo a hora de voltar!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estocolmo

A mais linda das três cidades que conheci na Escandinávia. Estocolmo é contemplação, é para ficar vagando e suspirando e nada mais. Só que tem muito o que ver e fazer sim! Então entre um ponto e outro do check list do caderninho a gente vai enchendo os olhos de beleza.

Estocolmo é a capital e maior cidade da Suécia, tem quase 1 milhão de habitantes, sendo também a capital da Escandinávia, região histórica e geográfica da Europa setentrional que abrande a Noruega, Dinamarca e Suécia, podendo em um sentido mais amplo incluir a Finlândia também.

IMG_8958

Novamente, sol e chuva, óculos de sol e sombrinha, camiseta e casaco, calor e frio, esse céu azul lindo da foto e céu encoberto, mudando a cada 5 minutos, porque o verão na Escandinávia não é moleza meus amigos.

Escolhi o Grand Hotel Stockholm para me hospedar com um pouco de receio. Não gosto desses hotéis gigantes com milhares de quartos, que a gente tem que andar quilômetros para chegar no quarto, acho impessoal, enfim, a localização era excelente, resolvi arriscar e deu certo! Em algumas fotos na internet ele parece decadente, não tem nada disso. O hotel é lindo, restaurante e bar maravilhosos, staff super gentil, ganhei um upgrade reservando pelo booking.com milagre!

img_8896.jpg
A fachada do Grand Hotel Stockholm

IMG_8648.JPG

O quarto era muito espaçoso, confortável, limpeza excelente, tinha um closet na entrada e um banheiro enorme, ar condicionado e wi-fi funcionando perfeitamente e não era distante do elevador e do hall.

IMG_8640.JPG

Almoçamos no Restaurante Veranda do próprio hotel, com uma vista linda e era um serviço de buffet maravilhoso, adorei. Tinha a opção à la carte também, mas gostamos tanto do que havia no buffet que nem pensamos duas vezes.

IMG_8653

IMG_8650

Depois do almoço fomos em direção ao Palácio Real, no caminho o prédio do Parlamento Sueco

IMG_8661.JPG

O Palácio Real, na ilha de Gamla Stan (cidade velha), fica a poucos passos do Grand Hotel. Este palácio é para eventos oficiais, é enorme, tem vários aposentos e possui 3 museus. A residência particular da família real sueca é o Drottningholm.

IMG_8662.JPG

IMG_8769.JPG

No primeiro andar estão os antigos aposentos reais, no segundo andar os aposentos de Estado e quartos dos hóspedes.

IMG_8675

IMG_8666.JPG

IMG_8694

IMG_8702

IMG_8715

IMG_8745Os três museus no interior do palácio são: Tre Konor sobre a história medieval dos palácios

IMG_8756.JPG

O Museu de Antiguidades de Gustav III

IMG_8760.JPG

IMG_8766.JPG

E o tesouro, das jóias da realeza, que infelizmente não pode fotografar. 

Em seguida fomos passear pelo bairro histórico da ilha Gamla Stan (cidade velha) e foi o lugar que eu mais gostei em Estocolmo. Mesmo com a multidão de turistas que se concentra nesse local, principalmente de cruzeiros, a partir das 17 horas já fica bem tranquilo.

Estocolmo é composta de 14 ilhas, no Lago Malaren onde encontra o Mar Báltico. O bairro de Gamla Stan fica na ilha de mesmo nome. A sua praça central Stortorget (bem no meio da ilha) é o cartão postal de Estocolmo: as fachadas de casinhas coloridas que são puro charme.

IMG_9129.JPG

Na praça central Stortorget tem a Catedral de Estocolmo e o Museu Nobel. O museu é do tipo interativo, tem muito conteúdo digital para pesquisar.

IMG_8787.JPG

O Museu do Prêmio Nobel fica no edifício da Bolsa de Valores e é dedicado aos ganhadores do prêmio, cerimônia que ocorre todo dia 10 de dezembro, data da morte de Alfred Nobel que começou a fundação para premiar as mentes mais brilhantes do mundo. Todas as categorias do prêmio são entregues em Estocolmo a exceção do Prêmio Nobel da Paz que é na Noruega (Oslo).

IMG_8809.JPG

IMG_8802.JPG

Tem muitas biografias interessantes dos premiados e algumas com itens pessoais como os sapatos de Selma Lagerlöf, escritura sueca, ganhadora do nobel de literatura em 1909 e primeira mulher a ser membro da Academia Sueca em 1914.

IMG_8807.JPG

Neste mesmo local está a Catedral de Estocolmo, dedicada a São Nicolau

IMG_8782.JPG

Storkyrkan – Grande Catedral – teve a sua primeira edificação no século XIII, converteu-se em igreja luterana em 1527 e o seu exterior foi remodelado para o barroco em 1740.

IMG_8818.JPG

IMG_8841.JPG

No interior da igreja tem uma estátua de madeira de São Jorge e o Dragão do século XV, cuja beleza é impressionante.

IMG_8832.JPG

IMG_8822.JPG

Ainda na ilha Gamla Stan o legal é percorrer as suas ruas com muitas lojas, galerias de arte e restaurantes, entre as que eu mais gostei estão a Vasterlanggatan, a Kopmangatan, a Lilla Nygatan e a Stora Nygatan.

Na rua Kopmangatan tem a praça Kopmanbrinken com uma estátua de São Jorge e o Dragão. Essa rua e o seu entorno tem lojas de bijouxs, jóias, roupas, antiquários e galerias de arte bem interessantes.

IMG_8862.JPG

IMG_8854.JPG

IMG_8851.JPG

IMG_8867.JPG

Fiquei apaixonada por esse bairro e no outro dia voltei para andar mais por aqui, depois mostro mais um pouco.

Na primeira noite nós fomos jantar em um restaurante que eu estava louca para conhecer: Hallwylskabar, no pátio do Museu Hallwyska

IMG_8925.JPG

É um restaurante, bar, balada, super na moda, amei!

IMG_8912.JPGMinha mesa foi bem perto da fonte

IMG_8918.JPG

Fomos caminhando na volta à beira mar e foi muito lindo

IMG_8941.JPG

No outro dia fomos conhecer a Prefeitura de Estocolmo. Estava um dia lindo e caminhamos até lá, parando em muitos lugares para fotografar

IMG_8980

A Prefeitura de Estocolmo (Conselho Municipal) fica na Hantverkargatan é de 1923. Possui uma torre de 106 metros de altura. Aqui e realizado o banquete do Prêmio Nobel. Para conhecer o seu interior só através de tour guiado (tem em inglês e espanhol) sempre em hora cheia. É bom chegar um pouco antes para comprar o ingresso.

IMG_8987.JPG

IMG_8998.JPG
Salão Azul

Quando eu fui comprar o ingresso a funcionária do guichê era bem simpática e após eu sair ela veio atrás de mim para dizer que tinha amado a minha blusa, que esqueceu de falar na hora, bem querida! Depois voltou para trabalhar, hahaha

IMG_9007.JPG

O tour levou 1 hora, achei muito longo, a guia falava sem parar, muita informação, enfim, eu queria conhecer e não tinha outro jeito. São alguns ambientes para visitar como o Salão Azul, Salão do Conselho, Salão Oval, a Galeria Príncipe, a Sala das Três Coroas e a Sala Dourada, a mais linda.

IMG_9019.JPG

Lembro que nessa sala (Salão do Conselho) a guia ficou meia hora falando sobre o teto de madeira, nossa foi de matar!

IMG_9022

Finalmente chegamos na Sala Dourada que eu queria tanto conhecer. É linda demais! O baile do prêmio Nobel acontece aqui. A sala é toda coberta de mosaicos. São 18 milhões de pastilhas de vidro e ouro, é realmente impressionante.

IMG_9055.JPG

Agora a gente respira fundo e enfrenta a multidão para fazer a foto dos sonhos, expectativa x realidade e felizmente consegui! Ponto para o maridão.

IMG_9040

No painel a representação da Rainha do Lago Mälaren, denominação antiga de Estocolmo já que a cidade é banhada por esse lago que dá acesso ao mar Báltico.

Todas as paredes são decoradas com cenas que tem ligação com a história da Suécia

IMG_9057.JPG

IMG_9061.JPG

IMG_9048.JPG

Na área externa, o jardim da Prefeitura às margens do lago Mälaren

IMG_9073.JPG

IMG_9076.JPG

Mais um passeio pelas ruas de Gamla Stan

IMG_9091

IMG_9098.JPG

E a rua mais estreita da cidade – Marten Trotzigs Grand. O nome é de um imigrante alemão que fez fortuna em Estocolmo e possuía muitas propriedades neste local. A entrada é pela Vasterlanggatan, ao lado do Café Jarntorget. Ao fundo possui 36 degraus e termina com menos de 1 metro de largura na Rua Prastgatan.

IMG_9106.JPG

IMG_9104

Abaixo a fachada do Aifur, um restaurante temático viking, com música ao vivo, muito pitoresco, só funciona para jantar.

IMG_9105

Na rua Stora Nygatan tem a Polkagriskokeri a mais famosa loja de doces de Estocolmo, desde 1859, as doceiras embalam os doces na própria loja. Aqui foi criado um dos símbolos mais conhecidos do Natal, o doce em forma de bengalinha de listras branca e vermelha.

IMG_9149

IMG_9153.JPG

IMG_9152.JPG

Na Rua Svartmangatan entramos na Igreja alemã (luterana) de Estocolmo, dedicada a Santa Gertrudes

IMG_9122.JPG

IMG_9119.JPG

Caminhando fui em direção ao Mercado Municipal de Estocolmo – Ostermalms Saluhall de 1888, considerado o 7° melhor salão de alimentos do mundo e para mim falou “qualquer coisa melhor do mundo” estou lá! Mesmo porque amo visitar e de quebra comer em mercado.

IMG_9171.JPG

IMG_9175.JPG

E quando eu cheguei? Fechado para reforma!! Nem da fachada deu para fotografar, todo coberto de andaimes, vontade de chorar. Ao lado foi construída uma área provisória onde funcionam alguns restaurantes e bancas de produtos à venda.

img_9178.jpg

IMG_9180.JPG

Abaixo o prédio original. Arrasada! O Mercado de Estocolmo fica no bairro Norrmalm

saluhall
Foto do site: http://www.foodnet.se

Bom, vamos em frente, quem sabe um dia eu volto a Estocolmo!

Próxima parada: Museu Vasa na Ilha Djurgarden, construído para abrigar um navio. Exatamente, o museu é todo dedicado a este navio e a sua incrível história.

O navio de guerra Vasa foi construído a mando do rei Gustav Adolf II. Em 10 de agosto de 1628 ao sair do porto disparou uma salva de canhões, só que deu uma rajada forte de vento que fez ele reclinar e entrou água pelas canhoneiras que estavam abertas fazendo o navio afundar morrendo 50 de seus 150 tripulantes. Quer dizer: o navio nem saiu do porto, já afundou, uma tragédia.

IMG_9193.JPG

IMG_9195.JPG

Vasa é o nome da dinastia reinante na época. O navio possuía 3 mastros, 10 velas, 69 metros de proa à popa e 1.200 toneladas. Um dos maiores da marinha sueca, com 64 canhões. Era um palácio flutuante com 700 esculturas.

IMG_9230.JPG

A causa provável do seu naufrágio foi que o rei quis que instalassem mais canhões do que a estrutura do navio podia suportar, causando o desequilíbrio.

IMG_9214

Em 1956 Anders Franzén, sueco, técnico marinho e arqueólogo naval amador descobriu o Vasa e em 1961 ele voltou a superfície. É o único navio de guerra do século XVII existente no mundo com 98% do casco original.

IMG_9206

O museu Vasa é muito interessante e vale a pena a visita.

Ao lado do Vasa se encontra o Museu Nórdico e embora não estivesse nos meus planos resolvi entrar, achei o prédio tão lindo! É um bom motivo, não é mesmo?

IMG_9301.JPG

O museu é dedicado à história e cultura do povo sueco, desde o final da idade média até a era contemporânea.

IMG_9266.JPG
Rei Gustav I Vasa (reinou de 1523 a 1560)

IMG_9279.JPG

O museu é enorme e tem muitas peças interessantes, com cenas da vida cotidiana sueca em várias épocas, assim como trajes, jóias, mobiliário, louças, etc. Amei conhecer, se tiver tempo na cidade vale muito a pena.

IMG_9294.JPG

IMG_9286.JPG

Nessa ilha Djurgarden também se encontra o museu do ABBA, grupo musical sueco que estourou nos anos 1970 e um dos mais famosos do mundo. Mas, mesmo sendo fã de suas músicas, estava tão cansada, achei que não valia a pena ir no museu da banda.

No caminho de volta, na Rua Nybroplan, a fachada do Teatro Dramático Real de 1788, em estilo Art Nouveau.

IMG_9186

À noite, jantamos em um restaurante asiático. O meu plano era jantar em uma brasserie dentro da Ópera de Estocolmo, mas estava fechada para férias. Confesso que não sou muito fã da culinária asiática, mas passamos na frente desse restaurante na noite anterior e achei tão lindo que resolvi experimentar. Adorei!

IMG_8905.JPG

O Restaurante Berns Asiatiska fica no Berzelii Park, dentro do Hotel Berns. Ambiente lindo e atendimento super simpático de Astrid uma brasileira muito querida e a comida estava excelente.

IMG_9329.JPG

À noite o restaurante é bem escuro e movimentado, então busquei uma foto na internet para se ter noção da beleza do lugar.

berns-hotel-stockholm-3.jpg
Foto do site: http://www.glitterandmud.com

Para fechar a noite, um drinque no Cadier, o bar do Grand Hotel Stockholm

IMG_8946.JPG

Abaixo, foto do Cadier Bar durante o dia

IMG_8655.JPG

No dia seguinte, fomos conhecer uma outra ilha/bairro de Estocolmo, o Södermalm. Esse bairro é ligado ao Gamla Stan pela Ponte Katarina Vagen. A primeira parada foi no Museu Fotografiska

IMG_9409.JPG

Como o próprio nome já diz, o museu é dedicado a fotografia, antes um departamento do museu de arte moderna, inaugurou neste espaço em 2010 e só pelo local já vale a visita, embora eu sou suspeita para falar porque amo foto e fico babando na genialidade do olhar, da capacidade de capturar, flagrar esse instante que muitas vezes é em um segundo.

IMG_9424
Do fotógrafo alemão Vincent Peters – David Beckham –  London 2001
img_9435.jpg
Da fotógrafa holandesa Scarlett Hooft Graafland – Lemonade Igloo – Arctic Canada – 2007
IMG_9441.JPG
Da fotógrafa britânica Mandy Barker – Sea of Artifacts – Soup – Refused

O museu Fotografiska tem um rooftop com café e restaurante e uma vista incrível

IMG_9451.JPG

IMG_9453.JPG

E no térreo uma loja maravilhosa, pena que não fotografei, a melhor de museu que eu fui em toda a Escandinávia.

Depois fomos bater perna pelo bairro, na saída do museu esse paredão imenso de rocha na Stadsgardsleden

IMG_9466.JPG

Passamos pela igreja Sofia Kyrkan, na Skanegatan. Ela fica em uma pequena colina, de 1906,  é luterana, tem esse nome em homenagem a rainha sueca Sofia de Nassau e no momento da nossa visita estava acontecendo um casamento.

IMG_9471.JPG

IMG_9476.JPG

E chegamos na área principal do bairro Sodermalm o entorno da praça Nytorget

IMG_9481.JPG

IMG_9489

IMG_9487.JPG

IMG_9486.JPG
Nytorget Urban Deli

O Sodermalm é um bairro muito bom para passear, como fomos em um sábado estava acontecendo uma feira de produtos orgânicos, a Bondens Egen Marknad e tinham alguns moradores vendendo peças vintage também.

img_9493.jpg

Percorremos a rua Gotgatan com lojas de objetos de decoração e arte muito legais

IMG_9497.JPG
Vitrine da Hantverket

E nessa rua almoçamos no restaurante Tiffany’s, muito bom! Então fomos descendo a Gotgatan em direção a ponte Katarina para Gamla Stan o coração de Estocolmo

IMG_9501.JPG
Medborgarplatsen

E a vista de Gamla Stan pelo lado de Sodermalm

IMG_9511.JPG

Aproveitamos para conhecer a famosa loja de departamentos de Estocolmo, a Nordiska Kompaniet, na Hamngatan e a beleza dela está no prédio, na sua fachada,  porque por dentro é uma loja de departamentos como todas as outras, sem novidade.

IMG_9534.JPG

Antes de chegar no nosso hotel fomos no Kungstradgarden, que significa Jardim do Rei, na Stromgatan, bairro Norrmalm, uma praça/ parque muito bonito e como era final de semana, estavam montando os estandes para uma uma série de eventos esportivos e musicais.

IMG_9351.JPG
Estatua do Rei Karl XII
img_9359.jpg
Monumento ao Rei Karl XIII

IMG_9362.JPG

No último dia voltei a esse parque, pela manhã bem cedo, porque achei tão bonito e era bem ao lado do meu hotel e fiz mais algumas fotos para depois ir embora. Sempre amanhecia ensolarado em Estocolmo e depois ia nublando.

img_9596.jpg

IMG_9595.JPG
Igreja de St. Jacobs

No Kungstradgarden tem um espelho d’água rodeado com 60 cerejeiras que na época da floração (entre março e abril) fica fantástico

IMG_9597.JPG

Por fim, atravessamos a ponte que liga o bairro Norrmalm e chegamos na pequena ilha de Skeppsholm e no jardim em frente ao museu de arte moderna esculturas/instalações dos artistas Jean Tinguely (metal) e Niki de Saint Phalle (animal)

IMG_9403

Na última noite, por sugestão do Concierge fomos jantar em um restaurante especializado em frutos do mar, o Wedholms Fisk. Meu Deus, que comida maravilhosa!

IMG_9559.JPG

IMG_9562.JPG

IMG_9564.JPG

IMG_9337.JPG
Cansada e feliz, que cidade linda

Para me despedir dessa cidade que é pura beleza segue as fotos feitas na charmosa ponte Skeppsholmsbron de ferro e madeira com uma coroa dourada no seu centro e uma vista de sonho

IMG_9583

IMG_9589.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Copenhagen

Acabei de voltar de uma viagem de 19 dias pela Escandinávia e Rússia e estava ansiosa para contar. Copenhagen foi o primeiro destino e me apaixonei de imediato e já adianto: foi o meu preferido na Escandinávia.

IMG_7772.JPG

Capital e maior cidade da Dinamarca com 1.200 milhão de habitantes, situa-se nas ilhas de Zelândia e Amager  e foi fundada no ano de 1.167. A Dinamarca tem 406 ilhas e Copenhagen tem essa geografia tão peculiar.

Em relação ao clima, agosto é verão, mas pela manhã é frio (16/18 graus) a tarde esquenta um pouco (não passou dos 23 graus) e o céu mudava com a maior rapidez que já vi na vida. Durante o dia fazia sol, chuva, céu claro, céu encoberto, às vezes mudava a cada 5 minutos, no começo irrita, depois a gente acostuma, fazer o que? Tinha que sair com casaco, camiseta, óculos de sol, sombrinha, o Kit completo. Graças a Santa Clara para quem eu sempre rezo pedindo para clarear os meus caminhos a quantidade de chuva foi mínima, ainda bem, porque no verão chove mais. Outro detalhe: previsão do tempo não existe. Errava sempre: dizia que ia chover e nada, dizia que ia fazer sol o dia inteiro e chovia. Muito louco. E isso se repetiu por toda a Escandinávia.

Fiquei 3 dias na cidade e foi pouco. Tem muito o que ver e fazer. Fiquei hospedada no Hotel d’Angleterre na Praça Konges Nytorv, super bem localizado, a poucos passos  do Canal Nyhavn o cartão postal da cidade.

img_7795.jpg

O Hotel d’Angleterre é lindo. Possui o restaurante Marchal com estrela Michelin (não fui) e o Balthazar Champagne Bar que eu amei. O quarto base (superior guest room) é bastante espaçoso e confortável. O Staff muito gentil e o café da manhã já incluído na tarifa é excelente, servido no mesmo ambiente do Marchal.

IMG_E8205.JPG

img_7830

Agora, vamos conhecer essa cidade incrível?

Assim que cheguei, deixei as malas no hotel (de Roma vôo de 2 horas) e fui conhecer o canal Nyhavn e aproveitei que o tempo estava bom, céu claro (algumas nuvens) com sol para fazer um passeio de barco, tour pelos canais.

img_7623

O Canal Nyhavn é a imagem que temos de Copenhagen, aquelas casinhas coloridas que parecem o brinquedo de bloquinhos de madeira de quando éramos crianças (quem tem mais de 40 anos).

Daqui partem os tours, tem duas empresas, bem simples a compra do tíquete no guichê no início do canal e lá fomos nós. No barco tem audioguide em inglês e espanhol.

IMG_7777

Aproveitei o passeio de barco também para ver duas atrações da cidade que não tinha vontade de conferir de perto: o bairro Christiana (comunidade livre e autônoma onde ocorre a venda de drogas, lixo, sujeira e criminalidade) e a estátua da pequena sereia (conto do escritor Hans Christian Andersen,  de 1913).

IMG_7667.JPG
A Estátua da Pequena Sereia – no barco vemos de costas
IMG_7656.JPG
Ópera de Copenhagen na iha de Holmen

IMG_7737.JPG

Na primeira noite fomos jantar em um dos restaurantes do canal Nyhavn e aqui acontece uma peculiaridade em decorrência dos cruzeiros. Durante o dia ferve de pessoas, quando chega à noite, os passageiros de cruzeiros vão embora, ficam poucas pessoas na rua e os restaurantes vazios. Dá uma pena porque é um local bonito, tem vários restaurantes bons, e apesar de ser um local turístico tem muito charme.

IMG_7808.JPG

Comemos no restaurante Heering no número 15, tem ambiente externo e interno, bem em frente ao canal, bonito e comida excelente.

IMG_7805

No outro dia acordamos cedo e fomos no Kastellet uma cidadela fortaleza construída em 1662. Na entrada pela Esplanaden tem o Portão do Rei.

IMG_7869

IMG_7874

Nesta fortaleza que funcionou também como prisão ficou encarcerado Johan Friedrich Struense médico do Rei Christian VII por ser amante da rainha Caroline Matilde.

IMG_7882.JPG
Casa do Comandante

IMG_7877.JPG

Os prédios de tijolos vermelhos eram armazéns usados para guardar armas e mantimentos.

Ao lado da entrada da fortaleza, à direita, encontra-se a Igreja Anglicana St. Albans, em frente ao lago.

IMG_7896.JPG

A igreja ainda estava fechada, não entrei, ao lado se encontra a Gefion Fonte.

IMG_7898.JPG

IMG_7913.JPG

O Churchil Park no caminho de ida e volta de Kastellet é lindo demais.

IMG_7858.JPG

Fomos caminhando pelo parque, fazendo o caminho de volta para o hotel Angleterre e passamos por ruas com galerias de arte e lojas de design incríveis, de surtar, principalmente a Rua Bredgate. Copenhagen tem um comércio maravilhoso, a gente demora muito para chegar no destino porque cada vitrine é uma parada para apreciar a beleza das peças.

E chegamos no Palácio Amalienborg, a residência oficial de inverno da família real. São quatro edifícios idênticos e na praça central a estátua do rei Frederick V.

IMG_7945

IMG_7949.JPG

Como é bom chegar cedo e ter o cenário só para a gente!

É possível visitar dois prédios: o Christian VII, palácio que serve de residência para hóspedes (apenas por tour guiado às quartas feiras – não fui) e o Palácio Christian VIII que funciona como museu dos objetos da realeza.

IMG_7961.JPG

IMG_7970.JPG

IMG_7985.JPG

Em frente ao Palácio Amalienborg vemos a Igreja de Mármore, conhecida por esse nome (Marmorkirken) mas seu nome é Frederikskirke, de 1894 em estilo rococó, templo luterano que levou 150 anos para ser construída.

IMG_7993.JPG

A Igreja de Mármore possui o maior domo da Escandinávia e foi inspirada na Basílica de São Pedro em Roma. No pórtico está escrito: A Palavra do Senhor Permanece para Sempre.

IMG_7995.JPG

A poucos passos do palácio e da igreja está o Museu do Design. Foi fundado em 1890 e desde 1926 funciona neste local. O prédio é do ano de 1752 e foi o antigo Hospital Real Frederik V.

IMG_8001.JPG

Além do acervo permanente estava no momento acontecendo a exposição 100 anos Bauhaus – escola de arte vanguardista na Alemanha, foi uma das maiores e mais importantes expressões do modernismo no design e na arquitetura, sendo a primeira escola de design no mundo.

IMG_8002

IMG_8006

Depois fomos passear pela Rua Stroget, com 1,1 Km de extensão, para pedestres, possui muitas lojas e restaurantes. A rua começa na Praça Konges Nytorv (para mim que estava no Hotel Angleterre) e termina na Prefeitura (Radhus)

IMG_8055.JPG

Tem muitas lojas nessa rua, mas a minha preferida foi a incrível ILLUMS BOLIGHUS e tem de tudo: roupas, acessórios, cosméticos, cama, mesa, banho, artigos de decoração, papelaria, iluminação. É como uma loja de departamentos (que eu não gosto) mas aqui é diferente, tem muito charme, a disposição das peças, os próprios artigos a venda, lindos e originais, como só a Escandinávia sabe fazer!

A ILLUMS é a maior loja de design escandinavo do mundo, precisa mais?

IMG_8112.JPG

IMG_8116.JPG

IMG_8057.JPG

Almoçamos no rooftop da loja que tem uma ótima seleção de restaurantes. Escolhemos o Skagen e o fish and chips que eu comi estava maravilhoso.

IMG_8061.JPG

Continuando pela Rua Stroget, ao longo do seu percurso tem 3 praças: Nytorv (onde tem o prédio do Tribunal de Justiça), Gammeltorv (fonte renascentista) e Amagertorv (ao fundo Palácio Christiansborg).

IMG_8124

IMG_8072.JPG

IMG_8073.JPG

IMG_8079.JPG

Caminhamos até o Palácio Christiansborg e fizemos algumas fotos externas, mas deixamos para entrar no dia seguinte, estava um dia de sol tão lindo que preferimos continuar passeando e chegamos na Radhus a Prefeitura de Copenhagen.

A praça da Prefeitura (Radhuspladsen) é muito bonita, bem animada.

IMG_8126.JPG

Eu não disse que estava um dia lindo de sol? Pois é, observem o céu das duas fotos acima, feitas com no máximo 1 hora de diferença. A Escandinávia é assim, ou pelo menos foi assim para mim, o tempo todo. Abria e fechava o céu com uma rapidez impressionante.

IMG_8143.JPG

O prédio da Prefeitura foi construído entre 1892 a 1905 e possui o Grande Salão onde são realizados casamentos e festas.

No interior do prédio da prefeitura, logo na entrada à direita,  se encontra o Relógio Mundial Astronômico de Jens Olsen, o relógio mecânico mais precioso do mundo, marca as horas e a posição dos planetas, do sol, da lua e das estrelas. Fiquei muito tempo esperando para tentar fazer uma foto só do relógio, mas não consegui, sempre tinham pessoas na frente.

O relógio começou a funcionar em 1955, dez anos após a morte de seu inventor e a sua corda dura uma semana de funcionamento.

img_8146.jpg

Quando saí da Prefeitura o céu já estava assim!

IMG_8150

IMG_8155

IMG_8160.JPG

E seguimos para o Parque Tivoli, o segundo parque de diversões mais antigo do mundo (o primeiro também fica na Dinamarca). De 15 de agosto de 1843, tem 86.000 m² e dizem inspirou Walt Disney quando esteve aqui a construir o seu nos Estados Unidos.

IMG_8187.JPG

Sinceramente, achei uma atração que só faz sentido se você está com crianças, tem uma área verde bem bonita, vários restaurantes, mas o barulho dos brinquedos e a gritaria me deixou atordoada.

IMG_8165.JPG

IMG_8175.JPG

A parte do pavilhão chinês é muito interessante.

IMG_8181.JPG

E como estávamos cansados dessa maratona voltamos para o hotel “pedalando”. Na praça da prefeitura tem vários tuk tuk.

IMG_8193.JPG

À noite fomos jantar ao lado do Hotel Angleterre, no Fishmarket, restaurante de frutos do mar muito bom, ambiente descontraído e atendimento simpático não preciso nem falar porque é “lei” em Copenhagen, todos são muito educados e a gentileza domina.

IMG_8200

IMG_8199

No outro dia, acordar cedo (sempre) para conhecer o Palácio Rosenborg, um castelo construído pelo rei Christian IV no século XVII e foi residência real até 1710.

IMG_8239.JPG

IMG_8246.JPG

O Palácio Rosenborg é lindo demais! Por fora e por dentro, tem inúmeras salas e quartos com um imenso acervo de objetos de toda a história da família real dinamarquesa, amei! Considero a sua visita imperdível.

IMG_8272

E agora vem a parte difícil, que fotos escolher para publicar, porque é tudo tão lindo, todos os ambientes são interessantes.

IMG_8274

IMG_8300

IMG_8285.JPG

IMG_8290

No primeiro andar tem uma série de retratos, entre eles a rainha Caroline Mathilde de 1767, para quem não conhece história dela é legal assistir o filme “O Amante da Rainha” com Alicia Vikander. Caroline foi mulher do rei Christian VII, que era louco, e amante do médico Struensee. Suas ideias (ou ideais) tiveram uma importância enorme para o desenvolvimento da Dinamarca.

IMG_8295

E no subsolo uma exposição das jóias da realeza. E pode fotografar tudo!

IMG_8336.JPG

Próxima visita: Palácio Christiansborg. Inicialmente construído em 1733, foi destruído e seu prédio atual é de 1907. O palácio nunca serviu de moradia real, mas era usado para festas e recepções de líderes, os eventos reais são realizados aqui. Hoje é a sede do parlamento e o primeiro ministro também mora no local.

IMG_8092

IMG_8094

IMG_8341.JPG

O prédio abriga os 3 poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

IMG_8407.JPG

IMG_8350.JPG

O Palácio Christianborg é o mais bonito de Copenhagen, com diversos ambientes como: Salões Reais, Biblioteca, Salão Jantar, Hall Grande, Salão do Trono, Capela, Museu do Teatro, Estábulo e a Cozinha Real que não é mais usada, mas ficou equipada como na época do Rei Christian X avô da atual rainha.

IMG_8354.JPG

IMG_8365.JPG

A Biblioteca possui duas salas com 10.000 livros

IMG_8355.JPG

IMG_8396.JPG

O ambiente mais espetacular é sem dúvida o Grande Hall onde tem uma coleção de tapeçarias lindas demais!

IMG_8381

IMG_8380

IMG_8386

Depois, logo ao lado do palácio, fomos conhecer o Museu Nacional da Dinamarca, com um acervo que conta a história e a cultura dinamarquesa.

IMG_8417.JPG

Estava acontecendo uma exposição temporária sobre a história de Genghis Khan e o império mongol, fascinante! O museu é muito bom, tem um acervo enorme e é um verdadeiro labirinto, dá para ficar horas lá dentro.

IMG_8437

IMG_8448.JPG

IMG_8455.JPG

IMG_8467.JPG

IMG_8460.JPG

IMG_8478.JPG

Na saída o dia estava assim! O gostoso do verão é que os dias são bem longos, rendem muito, dá para ficar passeando até às 21h com a luz do sol, eu amo!

IMG_8416.JPG

E sabem por que eu escolhi esse dia para conhecer os palácios e museus? Porque a previsão era chuva!!! Não deu uma gota!!! Metereologia zero!!!

Saindo sem rumo acabei descobrindo uma rua que fiquei apaixonada, na realidade ela tem dois nomes na sua extensão: como saí da prefeitura ela começou com o nome de Kompagnestraed e depois Laederstraede. Um charme só! Galerias de arte, antiquários, brechós, lojas de roupas, objetos, decoração e muitos restaurantes. Ela tem um piso pedonal que ajuda muito no passeio, passam carros, mas acho que são só autorizados, porque são poucos.

IMG_8494.JPG

IMG_8496.JPG

IMG_8487.JPG

IMG_8490.JPG

Almoçamos nessa rua no Zirup, ambiente incrível e comida muito boa, recomendo! Imagino que deve ser demais essa rua à noite.

IMG_8501.JPG

Na Kobmagerdade, uma rua muito boa para passear também, marido ficou louco com uma livraria gigante, deixei ele lá e fui fotografar logo em frente a Rundetarn, torre redonda com 35 metros de altura, de 1637 que faz parte do complexo da Igreja Trinitatis. A torre tem observatório astronômico e planetário. Não tive interesse de subir.

IMG_8550.JPG

IMG_8532.JPG
Interior da Igreja Trinitatis

E, por fim, fui no Museu Guiness e achei bem fraco, ele é do tipo interativo, com vários jogos, bom para crianças e adolescentes.

IMG_8558.JPG

Na última noite, fomos jantar no restaurante The Market que eu amei! Ambiente lindo, lotado, tem dois espaços, o de cozinha asiática e o de cozinha italiana, fui neste último, comi uma massa deliciosa.

IMG_8586.JPG

IMG_8591.JPG

Para fechar com chave de ouro, champagne e caviar no Balthazar Bar do Hotel Angleterre.

IMG_8574.JPG

IMG_8572.JPG

Copenhagen é uma cidade pequena geograficamente, seu centro é compacto e as atrações não são distantes uma da outra, só que tem muita coisa para ver e fazer, então três dias para mim foi pouco, fiquei com uma tristeza enorme de ir embora, queria ter ficado pelo menos mais dois dias.

É uma delícia passear pelas suas ruas. Tem muitos restaurantes maravilhosos e aqui quero explicar porque não fui nos dois restaurantes mais famosos e no topo da lista dos melhores do mundo: Noma e Geranium. Pesquisei bastante, conversei com amigos que já foram para me decidir. Tudo é uma questão de perfil. Amo a alta gastronomia, conheço alguns restaurantes estrelados pelo mundo, mas o “esquema” desses restaurantes não me agradou. O menu é pré determinado, não dá para escolher o prato, sazonal (o Noma por exemplo no verão é menu vegetariano), uma sequência enorme de pratos bem “autorais” e o jantar dura 4 horas. Sou muito enjoada para comer, tem muita coisa que eu não gosto, quero pagar pelo prato que eu escolho e não que o dá na cabeça do Chef de preparar. Então não fui. Se tivesse a opção de escolha certamente teria ido. Comi super bem em todos os restaurantes que almocei e jantei. E nunca fui do estilo ir só para dizer que estive lá, então não me fez falta!

Quanto a cidade, ahhhhh fiquei apaixonada por Copenhagen.

img_7662.jpg

O Dinamarquês é considerado o povo mais feliz do mundo, felicidade essa que está no extremo grau de confiança que eles tem uns nos outros. A vida é segura, tranquila, estável. As instituições funcionam, o alto nível de educação, a gentileza e o respeito que eles tem a tudo e a todos me fizeram concluir que na Escandinávia o ser humano deu certo. A civilização que nós só conhecemos na teoria lá vivemos na prática. Que sonho um dia poder replicar essa vida aqui.

 

 

 

 

 

 

 

Córdoba – Espanha

Cidade da Província de mesmo nome, Córdoba se situa na região da Andaluzia, sul da Espanha e fica a uma distância de 395 Km de Madri e 132 Km de Sevilha.

Foi a partir de Sevilha que conheci Córdoba em um passeio de um dia (bate e volta) de trem, viagem que durou 45 minutos. Comprei o bilhete no site http://www.raileurope.com.br

Quando planejei a minha viagem para a Andaluzia pensei em ficar pelo menos 1 noite em Córdoba para ter mais tempo para conhecer a cidade, mas acabei optando por fixar base em Sevilha e achei melhor, pois foi suficiente para conhecer as atrações que me interessavam e bem mais prático fazer o bate e volta.

img_1808.jpg
Vista de Córdoba do alto da Torre de Calahorra

Córdoba já foi a cidade mais populosa do mundo, no ano 1.000 d.c.  com  500.000 habitantes. Hoje possui aproximadamente 330.000 hab. Foi também uma das primeiras a ter iluminação pública.

Ao chegar na estação de trem peguei um táxi e pedi para ficar na Puerta Sevilla início do meu roteiro. A distância de 2 km passando pela parte moderna da cidade e vista pela janela do carro foi rápida, suficiente e já ajudou a poupar as pernas e os pés para o restante do dia 😉

Puerta Sevilla é uma das portas de acesso das muralhas da cidade, a única das três que se conservou, original do século XIV.

IMG_1437.JPG

IMG_1443

Ao lado da porta uma construção em forma de arcos, possivelmente um aqueduto, com o monumento em homenagem ao filósofo e historiador Ibn Hazn.

IMG_1436

Passando pela Puerta Sevilla e seguindo pela calle de mesmo nome chegamos no Alcazar de los Reys Cristianos, uma fortaleza que serviu de residência para os reis católicos Isabel de Castela e Fernando de Aragão por 8 anos.

IMG_1448
Ruas vazias no início da manhã fria de março de 2019

IMG_1537.JPG

IMG_1452

O Alcazar do ano de 1328 é um dos monumentos mais importantes de Córdoba. O interior do edifício não tem muito interesse, mas os seus jardins são muito bonitos, vale a pena a visita.

IMG_1459.JPG

IMG_1469

IMG_1473

Foi neste local, em 1486, que os Reis Católicos receberam Cristóvão Colombo que foi pedir apoio para sua expedição às Índias que culminou no descobrimento das Américas. Os reis foram grandes financiadores das expedições de Colombo.

IMG_1485

IMG_1511

IMG_1515

E esse céu? Não canso de pensar, Andaluzia em março é perfeita!

IMG_1519.JPG

Próxima parada, a atração mais visitada de Córdoba: A Mesquita-Catedral. Para comprar o ingresso a fila é imensa, ao lado do guichê tem um caixa eletrônico para compra com cartão de crédito e a fila é bem menor. Estacionei o marido na fila normal e fui tentar a sorte no eletrônico, a compra é meio enrolada, mas fiquei de olho nos que estavam na minha frente para aprender e consegui. Poupei um bom tempo.

IMG_1545.JPG
Lateral da Mesquita Catedral

A Mesquita-Catedral de Córdoba já começa pelo nome que a primeira vista pode parecer incompatível, mas ela é igreja ou é mesquita? É uma igreja, mas já explico. O início da construção foi em 785 quando Córdoba estava sob o domínio dos árabes, então eles construíram uma mesquita. Porém, em 1.236 Córdoba foi reconquistada pelos cristãos que aproveitaram a construção e foi consagrada como igreja, acrescentando ao longo do tempo elementos católicos.

Como o edifício conservou os elementos árabes da religião islâmica passou a se chamar Mesquita-Catedral de la Asuncion de Nuestra Señora.

IMG_1543.JPG
Os detalhes do exterior da Mesquita-Catedral

IMG_1550.JPG

O seu interior é imenso, sendo uma das mais importantes construções islâmicas no ocidente. Possui 23.400 m² sendo a segunda maior mesquita do mundo depois de Meca até o ano de 1.588, quando então foi superada pela Mesquita Azul de Istambul.

IMG_1607.JPG

IMG_1569

O espaço onde está  Mihrab – o nicho oratório em direção à Meca é o mais importante

IMG_1592.JPG

IMG_1588

IMG_1640.JPG

A parte católica também é de uma beleza impressionante.

IMG_1619

IMG_1621

E ainda possui uma parte de museu com peças arqueológicas e eclesiásticas.

IMG_1602.JPG

IMG_1595

A Mesquita-Catedral de Córdoba é realmente incrível e vale a visita, tanto pelo seu aspecto arquitetônico quanto pela sua história. Abaixo a Torre do Sino, o campanário onde era o antigo Minarete, visto do Pátio de los Naranjos.

IMG_1552.JPG

IMG_1684

Saindo da igreja fomos passear pelas ruas no entorno, seu centro histórico, com muitas lojas e restaurantes.

IMG_1656

Recebemos uma dica muito boa para almoçar do porteiro do nosso Hotel Alfonso XIII em Sevilha (restaurante Caballo Rojo), mas quando chegamos lá ainda estava fechado, os espanhóis almoçam e jantam tarde e como tomamos café muito cedo para a viagem já estávamos com fome, então resolvemos tentar em um que passamos em frente e gostamos muito.

IMG_1695

A Taberna Deanes na calle Deanes. Pedimos algumas tapas de entrada e de prato Revuelto (ovos) de Ouriço, uma delícia!img_1694.jpg

IMG_1702

Pelas charmosas ruas de Córdoba visitamos também a mais famosa: Calleja de las Flores, a sua entrada é pela Calle Velazquez Bosco.

IMG_1671.JPG

O centrinho histórico é bem pequeno, com um emaranhado de ruelas para passear, com muitas lojinhas e restaurantes.

IMG_1705.JPG

IMG_1691

O Mercado Los Patios de la Marquesa, na Calle Manriquez, também é uma boa opção para almoçar. Um espaço com vários estandes de comidas, mesas e cadeiras para refeições ligeiras, para quem não quer perder muito tempo em um restaurante.

IMG_1712

IMG_1710

Passamos em frente e resolvemos entrar na Galeria de la Inquisición, uma exposição com os artefatos usados na época. A Inquisição Espanhola (Tribunal do Santo Ofício da Igreja Católica) funcionou de 1478 até 1834  e foi instalada a pedido dos reis Isabel de Castela e Fernando de Aragão, para perseguir e condenar os hereges.

IMG_1718

IMG_1720

Córdoba também possui a sua juderia, o bairro onde os judeus viviam, mantendo as suas características. Na Calle Averroes, final da Calle Tomás Conde se encontra a Plaza Maimonides com uma estátua em honra ao médico, escritor, filósofo e rabino de mesmo nome que viveu de 1.135 a 1204 e codificou os 13 princípios da fé judaica.

IMG_1730

Logo ao lado está o ZOCO Municipal de la Artesania. Um pátio muito bonito, com um mercado com alguns artesãos trabalhando e vendendo seus produtos. Tem trabalhos em restauro também de móveis e relógios antigos.

IMG_1744.JPG

Não fotografei os artesões trabalhando porque não me senti à vontade, ninguém fotografava só prestavam atenção no trabalho sendo executado.

IMG_1735.JPG

Na Calle Judíos se encontra a Sinagoga, do ano de 1314 (século XIV), um monumento único na Andaluzia. Pouco restou da construção, mas a sua importância histórica vale a visita.

IMG_1748.JPG

IMG_1752

Os pátios de Córdoba são famosos, existindo até a Asociación de Amigos de los Pátios Cordobeses, para regulamentar o seu funcionamento promovendo concursos de beleza, sempre muito floridos.

IMG_1725
Pátio do Museu Municipal Taurino

Contornamos a Mesquita-Catedral novamente e fomos para a última parada do roteiro: a Torre de Calahorra.

IMG_1763

O acesso se dá pela Avenida del Alcazar onde se encontra o monumento a San Rafael Arcangel e a Puerta del Puente, do século XVI de nome “O Triunfo de San Rafael”

img_1770.jpg

A Puente Romano que atravessa o Rio Guadalquivir

IMG_1775.JPG

E a Torre de Calahorra ao fundo, na outra margem do rio. Construída no século XII, já foi fortaleza, prisão, escola. Hoje funciona no seu interior o Museu Ibérico.

IMG_1782

img_1783.jpg

O marido não quis entrar, então fui sozinha. O museu não é muito interessante, queria mesmo subir na torre para ver a cidade. A torre não é alta, o acesso pelas escadas é fácil.

img_1788.jpg

IMG_1795

IMG_1799
Mirante da Torre de Calahorra

Daí estou no terraço/mirante, aproveitando essa vista fantástica, quando vejo o marido deitado, dormindo em um banco lá embaixo! Affff

IMG_1810.JPG

O nosso passeio terminou aqui, não conseguimos um táxi para voltar à estação de trem, então chamei um Uber e deu certo, chegamos a tempo.

Gostei muito de ter conhecido Córdoba, mas não considerei uma cidade imprescindível ou imperdível para visitar na Andaluzia. Achei o esquema bate e volta muito bom, para não ficar com aquela coisa na cabeça “poxa estive tão perto e não conheci”.

A Andaluzia é uma região apaixonante, sua história e a influência árabe na sua arquitetura merecem a visita e a tornam linda e única. Não vejo a hora de voltar para conhecer as outras cidades da região.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alhambra – Granada

Qa’lat al-Hamra significa castelo vermelho em árabe, origem da palavra Alhambra. Os árabes (mouros) dominaram a península ibérica por 800 anos. Se instalaram por volta do ano 500 d.c. e foram expulsos definitivamente no ano de 1492 pelos reis católicos Isabel I de Castela e Fernando de Aragão.

E foi na Andaluzia que os árabes permaneceram por mais tempo na Espanha, já que a expulsão foi gradativamente acontecendo sentido norte/sul. Por isso, encontramos tanta influência moura nas suas cidades, em especial na arquitetura, muito mais do que nas outras regiões.

IMG_2864.JPG
Na fortaleza de Alcazaba – Alhambra

Alhambra foi uma fortaleza construída pelos árabes. Uma cidade fortificada dentro da cidade de Granada. Seus primeiros registros datam do século IX e teve seu apogeu no século XIII quando passou a ser a residência real de Muhammad Ibn Ahmar de 1238 a 1273.

A maior parte do complexo foi construída entre 1354 a 1391 e abandonada no século XVIII.

Para visitar Alhambra (que funciona todos os dias das 8:30 às 18:00 horas) contratei um guia particular através do Hotel Hospes Palácio de los Patos, onde fiquei hospedada. A entrada com ou sem guia deve ser comprada com muita antecedência (no meu caso 3 meses antes e já estava esgotando). É preciso informar o número do passaporte para checagem de segurança. O bilhete é nominal e intransferível.

O complexo da fortaleza de Alhambra é imenso, fácil se perder mesmo com mapa. Lotado de visitantes. O passeio com guia é altamente recomendável para poder aproveitar ao máximo todas as atrações do local. Além de pular fila, o que otimiza bastante o seu tempo por lá.

Junto a Alhambra se encontra El Generalife, que significa Jardim do Arquiteto (Alarife). Era o lugar de descanso dos sultões no século XIII. A visita pode começar ou terminar por aqui. Por uma questão de logística, o passeio guiado começou por aqui e achei realmente muito melhor.

img_2503.jpg

El Generalife ocupa as ladeiras do Cerro del Sol. Tem uma vista completa da cidade e dos vales dos rios Genil e Darro. Os jardins são lindos. Algumas plantas possuem técnica de topiaria. É dividido em Jardines Bajos, Pátio del Descabalgamiento (para os cavaleiros desmontares de seus cavalos) e Jardines Altos.

IMG_2498

IMG_2520.JPG

IMG_2521.JPG

Em março as laranjeiras estão carregadas o que deixa tudo ainda mais bonito. Abaixo no Pátio de la Sultana.

IMG_2523.JPG

IMG_2559.JPG

Uma das construções do Generalife é o Pátio de la Acequia. Foi o pavilhão mais importante desse local. Era um prédio sólido e simples (para os padrões deles) que servia de descanso para os sultões. Mais fresco em razão da sua localização, um refúgio para o tórrido verão Andaluz (embora não fosse novidade para os árabes).

IMG_2531.JPG

Ao fundo do espelho d’água, 5 arcos sobre pilares de tijolos e um corredor com quartos. O lado esquerdo possui 18 arcos. No pavilhão superior um mirante com vista para o bairro Albaicin.

No lado esquerdo da foto acima é possível ver uma pequena cruz. Ali era o Baño de la Mezquita. A mesquita foi derrubada pelos reis católicos e construída uma igreja no local.

IMG_2546.JPG

IMG_2544.JPG

IMG_2548.JPG

A vista aqui de cima é realmente muito bonita

IMG_2551.JPG

IMG_2550.JPG

Descendo para a cidade de Alhambra propriamente dita encontramos muitos jardins, sempre bem cuidados, como o Jardines de São Francisco, na foto abaixo. E esse céu?

IMG_2587

E aqui aconteceu uma coisa inacreditável! Planejei esse passeio a Alhambra com meses de antecedência, estava embaixo de uma árvore ouvindo as explicações do guia quando escuto um barulho de pedra caindo, levei um susto! A 30 cm da minha cabeça uma cegonha resolveu “se aliviar”. Vocês não tem ideia da quantidade de “caca” que o bicho fez! A roda que ficou no chão era muito maior que bosta de vaca. E tinha cor de açai, bem roxo! Respingou no meu casaco, nas pernas, a vontade de chorar, enquanto o marido e o guia trancavam o riso, que ódio! Então, aqui vai uma dica, nunca fique embaixo das árvores! Imagina se tivesse sido bem na minha cabeça? Tinha acabado o passeio antes de começar realmente. Consegui limpar tudo com lenço de papel que o guia tinha levado, mas as roupas ficaram um pouco manchadas. No susto não lembrei de fotografar o estrago. Agradeci a Deus por não ter sido em cima de mim e não ter me machucado. Segundo o marido foi um tijolaço e eu iria direto para o hospital!

IMG_2590.JPG
Ruínas do Palácio de los Abencerrajes

Mas, refeita do susto seguimos adiante. Puerta del Vino do ano de 1302 é a entrada principal da Medina de Alhambra (medina – cidade murada). Frente e atrás.

IMG_2606

IMG_2841

Em Alhambra um dos principais prédios é o Palácio de Carlos V que foi Imperador do Sacro Império Romano-Germânico. Rei da Espanha como Carlos I a partir de 1516, foi considerado o homem mais poderoso do mundo da sua época. Construído em 1527 só terminou em 1953.

IMG_2599.JPG

Carlos V usava os Palácios Nazaries como residência de verão, porém precisava de mais conforto e então foi construído para sua residência oficial. Hoje funciona como sede do Museu de Alhambra e no andar superior o Museu de Belas Artes.

IMG_2604.JPG

IMG_2834.JPG

Próxima parada, a construção mais famosa de Alhambra: os Palácios Nazaries, nome da última dinastia árabe que governou a Península Ibérica. Possui 3 áreas independentes. Palácio Mexuar (Justiça e Estado), Palácio Comares (residência oficial do Sultão) e Palácio Leones (parte privada – harém).

O Palácio Mexuar era um local de reunião de Estado, com gabinetes de Ministros e o Sultão “aplicava” a Justiça, desde 1314. Hoje é um salão vazio onde podemos apreciar a beleza de suas paredes de mosaicos e o rico trabalho de entalhe e marchetaria na madeira dos tetos.

IMG_2643

Os pontos de interesse são o Pátio com fonte, o Cuarto Dorado e o Oratório (Mihrab)

IMG_2628.JPG

O Palácio Comares era a residência oficial. Na fachada o Sultão recebia seus vassalos ao pé das escadas. A Sala Barca foi destruída em um incêndio e restaurada e o Pátio de los Arrayanes  com destaque para o espelho d’água.

IMG_2672.JPG

IMG_2696.JPG

E o lugar mais lindo de Alhambra: o Palácio de los Leones. Feito por Muhammed V são os aposentos privados da família real, construído entre 1362 a 1391 com o grau máximo de excelência da arte nazari.

O Pátio de Los Leones assim chamado porque a fonte central de mármore tem na sua base esculturas de leões.

IMG_2713.JPG

A dificuldade para fotografar é imensa porque é a atração principal de Alhambra, vive lotado, mas a gente com paciência consegue umas fotinhos mais exclusivas.

IMG_2719.JPG

IMG_2724.JPG

Na Sala de Albencerrajes: nome da família que foi decapitada em um banquete no palácio. O seu incrível teto.

IMG_2729.JPG

IMG_2731.JPG

Abaixo, a Sala de los Reyes, um local para recepções e celebrações.

IMG_2746.JPG

IMG_2747.JPG
Mais um teto maravilhoso

IMG_2759.JPG

A Sala de Dos Hermanas com sua cúpula de Estalactites

IMG_2768.JPG

IMG_2758

A riqueza de detalhes no trabalho das paredes e dos tetos é realmente de impressionar.

Seguindo o trajeto passamos pelo Pátio de la Reja com sua vista linda do bairro de Albaicin

IMG_2779

IMG_2777

IMG_2785
Pátio de Lindaraja

O Palácio El Partal composto de um pórtico com cinco arcos e um lago em frente.

IMG_2803.JPG

IMG_2822

A Torre del Mihrab, oratório de peças encaixadas como nas mesquitas africanas.

IMG_2807

IMG_2809
Nosso guia privado Pablo à direita

E a última etapa do passeio a Alhambra – Alcazaba – Uma fortaleza do século IX com três torres: Torre Quebrada, Torre del Homenaje e Torre de la Vela.

IMG_2845

IMG_2853

IMG_2855.JPG

A vista de Sierra Nevada do alto da fortaleza é incrível

IMG_2873.JPG

E o nosso guia Pablo fez essa foto panorâmica na fortaleza de Alcazaba

IMG_2867.JPG

Na saída passamos pela Puerta de la Justiça a maior e mais espetacular das 4 portas das muralhas de Alhambra. Construída por Yusuf I em 1333, com seu arco em forma de ferradura.

IMG_2890

Alhambra é realmente um lugar imperdível para quem vai conhecer Granada. A visita guiada ajuda muito a percorrer o trajeto, otimizar o tempo e entender a sua função na história da cidade.

IMG_2895